A saga completa dos Cavaleiros do Zodíaco

Amados por fãs de diversas idades e odiados pelos críticos de filmes, os CAVALEIROS DO ZODÍACO no Brasil, são um sucesso fenomenal de público, na TV, no cinema e em vídeo. Masami Kurumada, autor dos Cavaleiros, foi às origens da civilização ocidental buscar inspiração para este fenômeno, assim como muitos artistas fizeram isso antes dele. CAVALEIROS DO ZODÍACO mistura mitologia, grandes batalhas e um caldeirão de emoções humanas, mas Kurumada não foi o primeiro a fazer uma história tão longa e complexa que se tornasse popular. Ainda na antiguidade, o escritor Homero criou a Ilíada e a Odisseia, uma grande epopeia que conta a história de Ulisses, Rei de Ítaca, que junto com Aquiles, participa da Guerra de Tróia.

Paralelamente conta a história de seu filho, Telêmaco que, com a orientação da deusa Atena, parte em busca do pai e o ajuda a acabar com os inimigos. Além disso, fala de Penélope, esposa de Ulisses, que durante vinte anos teve de usar artifícios para evitar o assédio de pretendentes a sua mão e ao trono de Ítaca. Com vários personagens e complicadas tramas, o enredo da Odisseia também é confuso, mas até hoje encanta muita gente. Dando uma forma atual para um tema antigo, Kurumada acabou criando um épico. Imitando a estrutura pouco convencional das grandes obras gregas, a história dos CAVALEIROS parece um pouco confusa. Para tornar as coisas mais fáceis, recontaremos em ordem cronológica e de forma linear, a saga dos CAVALEIROS. E não foi fácil fazer isso: são 114 capítulos da série, totalizando 57 horas de animação e 4 mil anos de histórias que reorganizamos para você guardar e relembrar. Conheça a partir de agora as lendas de uma nova era!

Capítulo 1 – Atena e Seus Defensores.

Há milhares de anos, os gregos acreditavam que seus deuses assumiam a forma de pessoas e tinham as mesmas emoções e paixões que os seres humanos. Uma das principais divindades era Atena, a deusa da sabedoria, das artes úteis e da guerra defensiva. Símbolo de az e prosperidade, Atena e seus ideais eram defendidos por poderosos guerreiros, capazes de rasgar os céus com um movimento das mãos e abrir a terra com um pontapé. Todo esse poder vinha de seus cosmos, ou seja, da energia que emana da ligação de cada um deles com o resto do universo. Chamados de Cavaleiros de Atena, cada um deles correspondia a uma constelação que os protegia e os vestia com uma armadura específica. Ao todo eram 88 Cavaleiros. Desde esses tempos remotos, Atena volta à Terra a cada 200 anos, para proteger a humanidade contra as forças do mal e da destruição, reencarnando em diferentes pessoas. Junto com ela, retornam também seus defensores. No meio de tantos homens, algumas mulheres também têm poderes fantásticos e são chamadas de amazonas. Elas ocultam seus rostos com máscaras, o que segundo uma antiga tradição as torna iguais aos homens, escondendo sua feminilidade. Caso um homem veja o rosto de uma delas, ela deve mata-lo, do contrário se apaixonará por ele. Os Cavaleiros dividem-se em três ordens clássicas, dependendo do tipo de armadura que envergam e do poder que alcançam através de seus cosmos. Assim existem os Cavaleiros de bronze, de prata e de ouro. Os mais poderosos os Cavaleiros de ouro, são chamados de CAVALEIROS DO ZODÍACO, por terem como constelações guia, as que representam os doze signos zodiacais: Capricórnio, Áries, Peixes, Leão, Virgem, Sagitário, Gêmeos, Touro, Aquário, Câncer e Escorpião. Na ausência de Atena na Terra, os Cavaleiros são liderados pelo Mestre do Santuário na Grécia, um homem respeitado por seu poder, bondade e sabedoria e que deve zelar por Atena.

Capítulo 2 – O Mal se Apossa do Santuário.

Mais de quatro mil anos se passaram. Uma nova geração de Cavaleiros aguarda a reencarnação de Atena e rumores existem de que o mal está se apossando do Santuário, para dominar o mundo. O atual Mestre do Santuário, um homem alto, que oculta seu rosto com uma máscara, comanda os 88 Cavaleiros do alto da montanha onde se encontra o Templo de Atena. Uma nova geração de Cavaleiros de ouro formada por MU de Áries, ALDEBARAN de Touro, SAGA de Gêmeos, MÁSCARA DA MORTE de Câncer, AIORIA de Leão, SHAKA de Virgem, MILO de Escorpião, SHURA de Capricórnio, CAMUS de Aquário, AFRODITE de Peixes e AIOROS de Sagitário está de prontidão na defesa do Santuário. O Cavaleiro de Libra, apesar de ser o mais sábio de todos, decidiu afastar-se do Santuário por causa de sua idade avançada, mas permanece a serviço de Atena, dedicando-se a preparar futuros Cavaleiros. Um dia, algo misterioso ocorre com o Cavaleiro de Gêmeos, SAGA. O espírito de Ares, deus grego da guerra e da destruição, se apossa de SAGA. Os longos cabelos azuis de SAGA se tornam cinza. Com isso, um dos mais poderosos e leais Defensores de Atena se torna extremamente perverso. Ele mata o mestre e assume seu lugar como Mestre do Santuário, ocultando sua identidade com a máscara de mestre. Numa noite, o Mestre tenta matar o bebê que se supunha ser a reencarnação de Atena. No último instante, AIOROS, o Cavaleiro de Sagitário, consegue salvar a criança e foge às pressas do Santuário. O Mestre dá o alarme aos demais Cavaleiros e mente a todos, dizendo que AIOROS tinha abandonado o Santuário e sequestrado o bebê, que, ao contrário das expectativas, não era a reencarnação de Atena. Como desertor do Santuário, AIOROS devia ser morto. Durante a fuga, ele é interceptado por SHURA, Cavaleiro de Capricórnio. Crente que AIORO é traidor, SHURA o ataca implacavelmente. Como o bebê se colocou próximo de SHURA, AIOROS não pôde revidar. Seriamente ferido, AIOROS foi dado como morto por SHURA. Quanto ao bebê, SHURA o abandonou à própria sorte. Com suas últimas forças, carregando a armadura de ouro de Sagitário e o bebê, AIOROS fugiu até o Partenon, no centro histórico de Atenas. Lá ele aguardou até o amanhecer, quando a sorte fez com que Mitsumasa Kido, um rico industrial japonês, os encontrasse. Em seus últimos minutos, AIOROS conta a Mitsumasa sobre o Santuário, Atena, os Cavaleiros e sobre a importância que eles têm para o bem da humanidade. Ele também pede para que Mitsumasa proteja o bebê até que ele cresça e se torne efetivamente a deusa Atena. Por fim, AIOROS pede para que um dia seja escolhido um jovem corajoso e determinado a defender Atena e que dê a este jovem a armadura de Sagitário. Com AIOROS morto e o bebê nos braços, Mitsumasa promete adotar e proteger a criança, além de encontrar um Cavaleiro digno de usar a armadura de Sagitário. Desconfiado que algo de errado acontece no Santuário, o Cavaleiro de Libra e MU, o Cavaleiro de Áries, decidem não obedecer ao Mestre. MU também deixa o Santuário e vai viver em Jamiel, local distante, no Himalaia, AIORIA, irmão caçula de AIOROS, que vivia junto com o irmão no Santuário para ser treinado como Cavaleiros, passa a ser hostilizado pelos demais, que achavam que ele sabia dos planos de AIOROS. AIORIA, que nada sabia, decide tornar-se um Cavaleiro de ouro, como o irmão, disposto a compensar a suposta traição de AIOROS. A partir de então, Ares passou a reinar absoluto no Santuário, usando para o mal forças que deveriam se dedicar ao bem e a Atena.

Capítulo 3  – Os Órfãos da Fundação Grado.

Mitsumasa Kido adota o bebê que lhe foi entregue por AIOROS como sua neta e lhe dá o nome de SAORI. Ao retornar ao Japão, Mitsumasa usa toda a sua fortuna para criar a Fundação Grado, também conhecida como Galar, uma organização para encontrar as reencarnações dos jovens Cavaleiros de Atena e que dará à jovem Atena toda a estrutura necessária para que ela possa cumprir sua missão no futuro. Dezenas de crianças órfãs são selecionadas pela Fundação, por apresentarem aptidão para se tornarem Cavaleiros. Sem parentes, dinheiro e nenhum lugar para ir, essas crianças não têm outra opção senão se desenvolver para se tornar guerreiros. É no orfanato da Fundação Grado que os destinos dessas crianças se cruzam. Na turma, estão JABUR, o sempre dedicado amigo de SAORI; o encorpadinho GEKI; o irriquieto SEIYA e sua irmã mais velha SEIKA; o introspectivo HYOGA; os totalmente opostos irmãos IKKI e SHUN o quase zen SHIRYU. No orfanato, eles vivem uma infância razoavelmente agradável, até que chegou o dia em que os meninos selecionados foram levados para a Mansão Kido. Nesse dia, o pequeno SEIYA foi separado de sua irmã SEIKA. Poucos meses depois da separação, SEIKA fugiu do orfanato e nunca mais se soube dela. Na mansão Kido, os meninos passam a maior parte de deus dias fazendo exercícios físicos. Como neta de um rico industrial e tendo o mordomo Tatsumi à sua disposição, SAORI é uma criança mimada e mandona. Irritado com SAORI e sentindo falta da irmã, SEIYA vai se tornando arredio. SHUN, o caçulinha da turma, vive apanhando o chorando. Seu irmão IKKI, o mais fortinho de todos, está sempre a consola-lo e lhe ensinando a ser mais determinado. Perguntado por um dos meninos se ele e SHUN eram realmente irmãos, por não terem aparentemente nada em comum, IKKI responde: Ele é o único parente vivo que eu tenho! Por isso precisamos estar sempre unidos. Um dia os meninos são submetidos a um sorteio, devendo cada um retirar de uma caixa um pedaço de papel em que está escrito o nome do local para onde serão enviados em treinamento. Ao chegar sua vez, SHUN tira o papel onde está escrito Ilha da Rainha da Morte, um local com a fama de ser o inferno sobre a Terra, e de onde ninguém voltou vivo ou normal. Apesar de seu físico frágil, SHUN aceita ir para a ilha. Entretanto, seu irmão IKKI protesta e insiste em ir para a Ilha da Rainha da Morte no lugar dele, alegando que teria melhores condições de sobreviverão duro treinamento. IKKI pede a SHUN para não se preocupar e procurar dar o melhor de si para se tornar um Cavaleiro, pois ele voltaria da Ilha da Rainha da Morte, para se reencontrarem. Assim, ficou decidido que os meninos partiriam para diferentes lugares do mundo, onde passariam os próximos anos sendo treinados para se tornarem Cavaleiros de bronze. JABUR vai para Oram, na Argélia. GEKI vai para as Montanhas Rochosas, no Canadá. SHIRYU vai para as Cinco Montanhas Sagradas se Ro, na China. IKKI vai para a Ilha da Rainha da Morte, no Pacífico Sul. HYOGA vai para o leste da Sibéria, na Rússia. SHUN vai para a Ilha de Andrômeda, na cosa Africana. SEIYA vai para o próprio Santuário, perto de Atenas, na Grécia.

Capítulo 4  – Os Futuros Cavaleiros

A HISTÓRIA DE SHUN

Depois da difícil despedida de seu irmão, SHUN vai para a Ilha de Andrômeda. Uma ilha rochosa onde de dia o calor é quase insuportável e à noite a temperatura cai a zero, com uma costa incansavelmente castigada por fortes ondas. É um lugar onde sobreviver é difícil, mas SHUN considerava o local um paraíso se comparado à Ilha da Rainha da Morte, para onde IKKI foi em seu lugar. Lá SHUN conhece seu mestre, o Cavaleiro de prata Albiore, um dos melhores no manejo de correntes. Albiore é um homem de poucas palavras, mas é gentil e sensato. Sentindo que algo estranho ocorre no Santuário, Albiore procura manter-se neutro. SHUN se torna amigo de June, a amazona de Camaleão, com quem ele conversa sempre e revela o seu grande objetivo: conquistar a armadura de Andrômeda para poder voltar ao Oriente e reencontrar-se com IKKI. Sob os olhares atentos de Albiore e June, SHUN começa seu longo treinamento. Avesso à luta, ele prefere apanhar do que bater, o que deixa June constantemente preocupada. Os demais candidatos a Cavaleiro são mais agressivos, apesar de todos terem uma aparência frágil, como SHUN. Albiore explica aos discípulos a importância do cosmo, para que possam elevar ao máximo sua energia e possam se defender, mas salienta que o mais poderoso cosmo vem do coração e do espírito de um verdadeiro Cavaleiro. Os anos passam e chega finalmente o dia das disputas pelo direito de se tornar o Cavaleiro de Andrômeda. A essa altura muitos discípulos de Albiore já foram eliminados da concorrência. SHUN chega ao último duelo, mas depois de apanhar muito. Antes de começar a luta, ele tenta conversar com seu oponente, Hedda, para ambos tentarem encontrar uma forma de resolver a questão sem briga. Sem efeito, o duelo começa e Hedda parte para a ofensiva. Vendo que SHUN nada fazia para contra-atacar, June grita para fazê-lo, pois se não conseguisse vencer a luta, não poderia voltar para o Oriente, para se encontrar com IKKI. Sem opção, SHUN acende seu cosmo e vence Hedda. Finalmente estava aberto o caminho para conquistar a armadura de Andrômeda. O teste final é chamado de sacrifício, um ritual feito em homenagem à heroína Andrômeda, que aceitou ser oferecida a um monstro marinho para salvar o reino de seu país. O aspirante a Cavaleiro é preso com as correntes de Andrômeda numa formação rochosa no mar. Ele deve se libertar das correntes antes que a maré suba e se afogue. Infelizmente, há anos ninguém sobreviva a esse ritual e a armadura permanecia sem Cavaleiros. Temendo que SHUN não estivesse preparado para isso, Albiore reluta em deixar o discípulo realizar o teste, mas acaba cedendo ante os seus insistentes pedidos. No dia do sacrifício, SHUN é acorrentado às rochas diante dos olhares tensos de Albiore e June. A maré vai subindo, enquanto SHUN se esforça para se libertar, sem muito efeito. A água já lhe cobria a cabeça, quando finalmente SHUN expande seu cosmo, tão poderoso a ponto de abrir um vácuo no mar, e recolhe as correntes que o prendiam. June respira aliviada e Albiore, satisfeito, entrega a armadura de Andrômeda a SHUN. Ansioso para voltar ao Oriente, SHUN vai agradecer e se despedir de Albiore. Seu mestre, porém, se mostra intrigado, pois não acredita que ele tenha despertado um cosmo tão forte por acaso. SHUN então conta a Albiore que ele vinha desenvolvendo seu cosmo há muito tempo, mas ciente de seu poder e com medo de ferir os colegas, procurou esconder isso. Além disso, a grande motivação que SHUN tinham para conquistar a armadura era poder se reencontrar com o irmão, de quem foi separado para o treinamento. Albiore fica feliz ao ver que SHUN, além de poder, tinha um coração nobre. Antes de ir embora, SHUN revela a capacidade de seu cosmo a Albiore, dirigindo um golpe às rochas atrás de seu mestre. Entretanto, nada parece ter acontecido. June chega para acompanhar SHUN ao porto. SHUN se despede de Albiore e enquanto ele e June se afastam, o protetor do braço direito do mestre, onde o golpe de SHUN raspou, estraçalha. A parede de rocha atrás de Albiore desmorona. O mestre sabe que o discípulo é poderoso e poderá se defender bem, mesmo sem as correntes de Andrômeda.

A HISTÓRIA DE HYOGA.

O pai de HYOGA era japonês e sua mãe, russa. Numa viagem à Sibéria, o navio em que HYOGA e sua mãe viajavam começou a afundar. Não tendo lugares suficientes nos salva-vidas, a mãe de HYOGA decide ficar a bordo, para dar lugar ao filho, e despede-se dele dando-lhe um rosário com a Cruz do Norte. Aos quatro anos de idade, HYOGA presencia desesperado o navio naufragar levando sua mãe. Alguns anos mais tarde, HYOGA volta à Sibéria, agora para ser treinado para ser um Cavaleiros do Gelo. Lá ele conhece seu mestre, o Cavaleiro de Cristal, um Cavaleiro da ordem de prata, que segue Atena. Cristal é um homem cordato e justo e o pequeno HYOGA logo passa a admirá-lo. A primeira lição é perante a geleira, dentro da qual se encontra a armadura de bronze de Cisne. Cristal pede que HYOGA dê um soco no gelo com tida a força. HYOGA o faz e tudo o que consegue é machucar a mão. Cristal então golpeia o gelo e deixa um enorme buraco. Crente que estava diante do Cavaleiro mais poderoso do mundo, HYOGA diz que nunca conseguiria fazer o mesmo. Considerando que ele era apenas uma criança, Cristal lhe conta que existem muitos outros Cavaleiros, alguns até mais poderosos, como seu próprio mestre, o Cavaleiro de Camus, e que ele não deveria se menosprezar. Com o tempo, HYOGA teria de adquirir esse poder para alcançar a armadura de Cisne. HYOGA é apresentado a Issac, outra criança enviada ao Cavaleiro de Cristal, para ser treinado como Cavaleiro. Ambos logo se tornaram bons amigos e passam a treinar juntos, sob os olhos atentos do Cavaleiro de Cristal. Apesar de serem bons amigos e leais um ao outro, HYOGA sente que há algo de amargo em Isaac. Durante o treinamento, o Cavaleiro de Cristal explica o funcionamento do cosmo de seus corpos, com o qual eles podem emitir um frio intenso (273ºC negativos), capaz de paralisar o movimento dos átomos. A esse frio extremo dá-se o nome de ZERO ABSOLUTO, que só se alcança através do sétimo sentido. Sendo mais forte que HYOGA, Isaac desenvolve primeiro suas habilidades. HYOGA aprende a técnica do PÓ DE DIAMANTE, nome dado pelos habitantes da Sibéria às tempestades que brilham como jóias, belas, mas fatais. Ampliando esse poder, HYOGA aprende o TROVÃO AURORA, fazendo com que as ondas de frio se abram no céu, como a aurora boreal. Contra inimigos altos e grandes, Cristal ensina a HYOGA a arriscada técnica de congelar as pernas do adversário, praticando com os ursos polares. Os anos vão passando e HYOGA e Isaac já são homens feitos preparando-se para a disputa pela armadura de bronze de Cisne. Um dia, decidido a ver a mãe no navio submerso, cujo corpo se mantém intacto pelo frio. HYOGA decide abrir um buraco na grossa camada de gelo e tentar um mergulho. Ao mergulhar ele é trancado por uma forte e inesperada correnteza. Sentindo que o amigo estava em perigo, Isaac mergulha para ajuda-lo e o encontra preso às cordas das amarras do navio. Após libertar HYOGA, Isaac o agarra para atravessarem a correnteza, mas ela é forte demais e ambos são jogados para longe da fenda aberta no gelo, ainda debaixo d’água. Sendo jogado contra o gelo, Isaac acidentalmente abre um grande corte no rosto e tem seu olho esquerdo perfurado. Sangrando muito e desesperado para salvar o amigo, Isaac usa seu golpe mais forte para abrir outro buraco no gelo e joga HYOGA para a superfície, ao mesmo tempo. Na superfície, HYOGA chama por Isaac, mas a correnteza acaba levando seu amigo. Ninguém nunca mais veria Isaac. A partir de então, HYOGA passou a mergulhar para ir visitar sua mãe pela abertura feita no gelo, mas sempre sério e com aspecto melancólico. Querido pelos vizinhos na vila onde mora, HYOGA tem um amiguinho que o admira e o acompanha chamado Jacó. Finalmente chega o dia da partida e HYOGA está pronto. Visita sua mãe mais uma vez e junto com Jacó, dirige-se a geleira. Com um golpe, ele destrói a geleira e retira a armadura de bronze de Cisne. Decidido a retornar. HYOGA despede-se de sua mãe e de Jacó e parte para o Oriente.

A HISTÓRIA DE SHIRYU

Ao chegar às Cinco Montanhas Sagradas, SHIRYU conhece seu mentor, chamado de Mestre Ancião das Cinco Montanhas, um homem pequeno com estranhos poderes levitacionais. Sua conduta calma e sua sabedoria logo conquistaram a confiança e a admiração do pequeno aprendiz. SHIRYU também conhece Shunrei, uma menina que foi abandonada nas montanhas e criada pelo Mestre Ancião. Sendo ambos órfãos, SHIRYU e Shunrei são criados como irmãos pelo Mestre Ancião. Junto com SHIRYU, o Mestre Ancião treina também outro menino órfão: Okko, que presenciou sua família ser morta por ladrões. Okko se culpa por não ter podido, na época, fazer nada para defender sua família e decide treinar para se fortalecer e jogar seu ódio contra todos os que forem mais fortes do que ele mesmo. SHIRYU, pó sua vez, quer se fortalecer para lutar contra as circunstâncias da vida, que vierem a fazê-lo sofrer. O Mestre Ancião é sábio, calmo e gentil, mas exigente nos treinos. SHIRYU passa a exercitar o corpo e a alma, até debaixo de neve, chuva e contra a força das águas que caem da cachoeira das Montanhas Sagradas. Mais forte do que SHIRYU, mas de temperamento irriquieto e agressivo, Okko logo percebe a preferência do Mestre Ancião, pelo outro gentil e controlado aluno. Para explicar a natureza do cosmo aos discípulos, o Mestre Ancião faz uma pequena demonstração, ampliando seu cosmo a ponto de desviar a água que flui no rio, ao que Okko e SHIRYU assistem pasmados. Ele lembra a ambos que eles não deviam deixar que a força lhes suba à cabeça, antes de adquirirem o verdadeiro poder. Um dia, Okko acaba sendo expulso pelo Mestre Ancião e sentindo ciúmes de SHIRYU, ele vai embora prometendo que voltará para acertar contas. Os dias prosseguem e SHIRYU continua seu treinamento, apegando-se ao Mestre Ancião como a um pai e a Shunrei como a uma irmã. Finalmente chega o dia em que ele deve fazer aquilo que lhe parece impossível: despertar seu cosmo, tendo a constelação de Dragão como sua protetora. Para isso, SHIRYU tem que golpear a água que cai da cachoeira das Cinco Montanhas Sagradas, de forma que ela corra ao contrário e assim possa pegar a armadura de bronze do Dragão, enrijecida através dos séculos pela força da queda da água. SHIRYU falha na primeira tentativa, mas na segunda ele desperta seu cosmo em forma de um Dragão, que se levanta para os céus, fazendo a água subir. Conquistada a armadura do Dragão, o Mestre Ancião e Shunrei sentem que SHIRYU está pronto para voltar ao Japão e cumprir seu destino de Cavaleiro.

A HISTÓRIA DE IKKI

A Ilha da Rainha da Morte é uma ilha vulcânica onde o calor é insuportável. Sua paisagem parece a descrição do inferno e a aparência do local é ameaçadora. Ao chegar, IKKI conhece o Mestre da ilha, um homem encorpado, cheio de cicatrizes, que usa uma máscara estranha e aterrorizante e com uma mentalidade totalmente deturpada. Um homem que defende o ódio como a fonte do poder do cosmo era o mestre de IKKI. Cada dia era um suplício para o pequeno IKKI. Violento, o Mestre o chicoteava todos os dias, ensinando IKKI só a agressão. Mas nem tudo era horror: havia a filha do Mestre, Esmeralda, uma menina doce e gentil, de cabelos claros e feições que lembravam as de SHUN. Esmeralda via IKKI às escondidas, para cuidar de seus ferimentos e era a únicas pessoas com quem ele podia conversar, sempre temendo que o Mestre pudesse se enfurecer, se soubesse que ela ajudava. Esmeralda conta a IKKI que seu pai já foi um homem bom, mas que um dia voltou do Santuário irreconhecível, completamente alterado e usando aquela máscara horrenda. Assim, intercalando o terror do treinamento e momentos mais suaves com Esmeralda, IKKI vai levando os dias, disposto a suportar tudo, para conquistar a armadura de bronze de Fênix e poder voltar a ver SHUN. Seu Mestre insiste para que IKKI o odeie e o agrida, pois só isso lha dará o poder que ele precisava para ter a armadura de Fênix, mas sempre na hora H, IKKI se detém. Não dava outra: o Mestre o castigava por isso. Numa dessas, o chicote de seu Mestre lhe abre um corte no meio do rosto, deixando-lhe uma cicatriz para sempre. Os anos se passam. Um dia, Esmeralda afasta IKKI por alguns momentos de seu treinamento para ir lhe mostrar algo raro: centenas de flores brotaram numa parte da ilha. Estavam ambos admirando a bela paisagem quando, de repente, chega o Mestre e começa a agredir IKKI. Durante a luta, o Mestre acerta um golpe fatal em Esmeralda. Diante daquilo, IKKI tenta desesperado fazer algo, mas ela está muito ferida e morre pedindo a IKKI para não desistir do bem-querer e de reencontrar SHUN. Por que o senhor fez isso com sua própria filha?!, pergunta IKKI. A culpa é dela responde o Mestre Ela não devia ter interferido. Tomado pela dor e pelo ódio, IKKI ataca ferozmente o Mestre e o mata. Finalmente, IKKI conquista a fantástica armadura de Fênix, a única capaz de se refazer das próprias cinzas, mas o preço que ele teve que pagar o mudaria radicalmente. Ele passa a culpar a tudo e a todos por sua dor, inclusive o seu irmão SHUN. Agora ele está disposto a voltar ao Oriente para se vingar de todos.

A HISTÓRIA DE SEIYA

O pequeno SEIYA é enviado ao Santuário de Atena, perto de Atenas, na Grécia. A sorte lhe sorri e ele é levado pelo próprio Mestre do Santuário, num dia em que ele está de bem com a vida, à sua instrutora: Marin, a Amazona de Águia. Com as fazes ocultas por máscara, SEIYA estranha um pouco os habitantes do Santuário. Morando numa casa na região ao redor do Santuário, Marin começa a educar SEIYA com teorias sobre ataque e defesa. Sonolento o pequeno SEIYA não presta atenção e Marin fica a lhe chamar a atenção, salientando que um dia isso poderá lhe salvar a vida. Exercícios físicos pesados e duelos com oponentes visivelmente mais fortes, eram diários para SEIYA, sempre apoiado por Marin, mesmo quando apanhava. Desmotivado com seu próprio desempenho, SEIYA decide abandonar tudo e desistir do treino, achando que nunca conseguiria se tornar um Cavaleiro, pois lhe disseram que orientais não conseguiriam se tornar defensores de Atena. De repente, SEIYA encontra Aioria, um jovem e poderoso Cavaleiro do Santuário, que lhe pede para esperar. Gentilmente, Aioria diz ao pequeno SEIYA que aquilo não era verdade e que ele nunca subestimaria os orientais, pois Marin era um bom exemplo disso. Secando as lágrimas, SEIYA descobre com isso que Marin era oriental como ele e que Aioria era um homem cordial e sensível. Finalmente, SEIYA decide continuar. Um dia, à caça de um coelho para o jantar, SEIYA acaba indo acidentalmente ao local de treino das Amazonas. Curioso, ele observa as lutas e quando uma delas se afasta para lavar o rosto e descansar, ele vai puxar conversa. Arredia, ela tenta bater em SEIYA, pois não é permitido que os homens vejam os rostos das Amazonas. Percebendo que a menina estava com o pulso machucado, SEIYA gentilmente improvisa-lhe um curativo e vai embora correndo. Sem saber, SEIYA havia acabado de ajudar Sheena, a Amazona de Cobra. Os anos passam. Nas disputas com o gigante Cássius, o discípulo de Sheena, SEIYA continuava perdendo. Marin explicava a SEIYA o significado e o funcionamento do cosmo e conta que um dia teria que despertar esse poder. Marin mostra a SEIYA sua constelação-guia. Assim, ela pede para SEIYA quebrar uma pedra com um golpe. SEIYA falha na primeira tentativa, mas na segunda ele desperta seu cosmo e abre uma cratera no chão. Feliz com essa conquista, SEIYA fica mais confiante para o duelo que ele haveria de travar pela armadura de bronze de Pégaso. Chega o dia do duelo. O adversário de SEIYA é Cássius. Diante de vários aspirantes a Cavaleiros, Amazonas e do Mestre do Santuário, começa a luta. Certo da vitória, Cássius avança ferozmente contra SEIYA, mas usando seu cosmo recém-desperto, ele consegue arrancar a orelha esquerda de Cássius, com um golpe e derrota-lo. Vendo seu aluno derrotado e um oriental conquistando a armadura de Pégaso, Sheena jura vingança. Saltando de felicidade, SEIYA abraça a caixa da armadura, mas é advertido pelo mestre de que ele nunca deverá usar a armadura em benefício pessoal, mas sim pelo bem da humanidade. A estrela de SEIYA é grande: novamente o Mestre estava de bem humor. Ao cair da noite, na casa que dividia com Marin, SEIYA se mostra ansioso para usar a armadura e voltar para o Oriente, onde quer procurar sua irmã, Seika, de quem fora separado há anos. Naquela mesma noite, Marin ajuda SEIYA a fugir, pois ela sabia que Sheena não deixaria a situação ficar do jeito que estava. No meio do caminho, ambos são encontrados por Sheena e seus guerreiros. Diante dos poderosos golpes VENHA COBRA de Sheena, SEIYA é obrigado a vestir a armadura de Pégaso para lutar. Desajeitado SEIYA demora um pouco para dar vida à sua armadura e apanha bastante, mas finalmente consegue revidar. Sem querer, ele quebra a máscara de Sheena e comenta que não esperava ver uma menina bonita, mas uma megera por trás dela. Sheena fica desorientada e o deixa ir, jurando se vingar. SEIYA consegue ir embora e voltar ao Oriente.

Capítulo 5  – O Torneio Guerra Galáctica

O COLISEU NOS TEMPOS MODERNOS.

Anos depois de serem enviados a diferentes partes do mundo os Cavaleiros de bronze começam a voltar ao Japão para participar da GUERRAGALÁCTICA, um torneio onde um lutará contra o outro, num estádio hi-tech, com a forma do Coliseu de Roma, construído pela Fundação criada por Mitsumasa Kido, hoje dirigida por SAORI em função do falecimento do avô. Diante de milhares de pessoas e das câmeras de TV, os jovens Cavaleiros de bronze disputarão, como prêmio, a armadura de ouro de Sagitário, conforme a vontade de Mitsumasa. Cabe a SAORI zelar pelos combates, realizados num ringue hexagonal. O torneio já se iniciou, mas alguns Cavaleiros ainda não chegaram. Jabur, agora Cavaleiro de bronze de Unicórnio (também chamado de Capricórnio), luta contra o Cavaleiro de bronze Lionet, pondo-o a nocaute. Após a luta do dia, de volta à mansão Kido, SEIYA é recebido por SAORI e pelo encorpado e calvo mordomo Tatsumi. Ele chega sem saber que o torneio havia começado e não tem a menor vontade de participar. Tudo que SEIYA queria era falar com Mitsumasa Kido, para saber de sua irmàSeika, mas ele descobre que Mitsumasa já havia morrido e cobra de SAORI a promessa que o avô havia feito a ele, de que se voltasse com a armadura de Pégaso, veria Seika novamente. Jabur chega de repente e interrompe a conversa, exigindo que SEIYA se desculpe pela forma com que se dirigiu a SAORI. Antes que ambos comecem a brigar; SAORI conta a SEIYA que SEIKA desapareceu do orfanato pouco depois de se separarem. Ela então propõe a SEIYA que, se ele vencesse o torneio, a Fundação localizaria sua irmã. A contragosto, SEIYA deixa a caixa com a armadura de Pégaso na mansão e se vai. SEIYA passa no orfanato onde ele vivia com Seika. Lá ele se encontra com Mono, uma amiga de infância que hoje trabalha no orfanato, à procura de notícias da irmã, mas ela não sabe de nada. Mino convence SEIYA a participar do torneio, pois através da TV, Seika poderia vê-lo e localiza-lo. Com o apoio moral de Mino e do pequeno Makoto, um menino do orfanato, SEIYA decide participar do torneio. No dia seguinte, SEIYA comparece ao Coliseu e se defronta com Geki, agora Cavaleiro de bronze de Urso. Tendo sido treinado nas Montanhas Rochosas, enfrentando ursos pardos gigantes, Geki ficou extremamente forte e grande e foi um adversário pesado para SEIYA. Lembrando-se dos ensinamentos de Marin, SEIYA se livra dos fortes braços de Geki e com as pernas despedaça a armadura de Urso, vencendo o duelo. Agora, SEIYA não pode mais recuar. Seu destino é lutar. Na manhã seguinte, SEIYA aluga um quarto perto do porto par morar. As crianças do orfanato já o têm como um ídolo e torcem por ele, mas SEIYA pensa apenas em encontrar Seika. Na mansão Kido, Tatsumi conta a SAORI que a imprensa tem dado importância ao torneio e que dois Cavaleiros ainda não haviam chegado: Cisne avisou que chegaria atrasado e não haviam localizado Fênix. O duelo do dia é entre Cisne e o Cavaleiro de Bronze Hidra. HYOGA chega em cima da hora para o início do combate e enfrenta as garras venenosas de Hidra. Abaixando sua temperatura, HYOGA se defende e contra-ataca com o PÓ DE DIAMANTE, vencendo seu oponente. Durante a luta, HYOGA pensa direito em sua mãe. No duelo do dia seguinte, os meninos do orfanato vão ao Coliseu. SEIYA enfrentará SHIRYU de Dragão.

O RENASCER DO DRAGÃO

Recomeçam os duelos. SEIYA tenta atingir SHIRYU logo de início, mas o Cavaleiro de Dragão é ágil e contra-ataca, derrubando SEIYA com um soco bem acertado. De repente, Shunrei chega ao Coliseu e chama SHIRYU, dizendo-lhe que algo aconteceu com o Mestre Ancião. SHIRYU estava prestes a deixar o ringue, achando que SEIYA estava derrotado, mas o Cavaleiro de Pégaso reage. Querendo ir embora para ver seu Mestre, SHIRYU o CÓLERA DO DRAGÃO, para acabar logo com a luta, mas SEIYA quer muito vencer o torneio por Seika e continua resistindo. Determinados, ambos levam o duelo às últimas consequências, esfacelando suas armaduras. Apesar de feridos, decidem prosseguir a luta mesmo sem elas, pois ambos têm motivos maiores que a armadura de ouro para vencer: SHUN se aproxima do ringue para tentar suspender o duelo, pois sem as armaduras e com o poder que possuem, acabariam se matando um ao outro. A luta se torna densa e muito perigosa. SEIYA finalmente consegue acertar um golpe em SHIRYU, que decide aplicar o CÓLERA DO DRAGÃO novamente. Percebendo que, por instantes, SHIRYU baixa a guarda do peito durante o golpe, SEIYA o acerta e ele cai fora do ringue, desfalecido. SEIYA finalmente vence a luta, mas mal se aguenta em pé. Os médicos vão correndo atender os dois Cavaleiros. SEIYA está fraco, precisando de uma transfusão, por ter perdido muito sangue durante a luta, mas SHIRYU sofreu uma parada cardíaca, estando clinicamente morto. Desesperada, Shunrei pede a SEIYA para ele golpear novamente SHIRYU no dragão que há em suas costas, símbolo da vida e do seu cosmo, para reavivar seu coração. Não há mais tempo, pois o dragão nas costas de SHIRYU esta desaparecendo. Ajudado por HYOGA, SEIYA usa suas últimas forças para dar um golpe certeiro, enquanto SHUN segura SHIRYU e se prepara para protege-lo do impacto. SEIYA lança um METEORO. SHUN e SHIRYU voam contra uma parede. O coração de SHIRYU volta a bater e a multidão aplaude. O dragão está vivo de novo!

FÊNIX UM CAVALEIRO DO MAL

Enquanto SEIYA E SHIRYU se recuperam no hospital, SUN enfrenta Jabur no torneio. SHUN está sem a menor vontade de lutar, pois ele queria apenas participar do torneio para rever seu irmão, IKKI, que até então havia desaparecido. Mesmo limitando suas capacidades, SHUN derrota Jabur. SHIRYU e SEIYA decidem deixar o hospital para procurar respostas sobre a sensação estranha que tiveram no Coliseu. De repente, a corrente de Andrômeda indica a presença de um inimigo para todos os Cavaleiros, na direção da armadura de ouro de Sagitário. Nesse instante, SHIRYU e SEIYA chegam ao Coliseu. Sobre a caixa da armadura de ouro, surge o Cavaleiro de Fênix, irradiando puro ódio. SHUN tenta deter a corrente de Andrômeda, que ataca Fênix, quando descobre que ele é IKKI. Para a surpresa de todos, IKKI ataca violentamente SHUN e diz que vai mata-lo. IKKI dá uma demonstração de seu incrível poder derrotando Nachi de Lobo, mal o tocando e lhe passando uma ilusão. Batendo em todos, IKKI e seus cavaleiros negros roubam a armadura de ouro de Sagitário e fogem, determinados a usa-la para dominar o mundo e se vingar de todos que os fizeram sofrer. Cisne persegue IKKI e os cavaleiros negros por Tóquio, deixando um rastro de neve para que SHUN e os demais o sigam. SHUN, SHIRYU, SEIYA e HYOGA localizam o esconderijo de IKKI num armazém no porto, de onde ele partiu para a Ilha da Rainha da Morte. IKKI esta preste a usar a armadura de ouro, quando SEIYA invadiu o depósito. Descobertos, IKKI e os cavaleiros negros se separam e fogem, levando partes da armadura de ouro. Os Cavaleiros de bronze se separam. HYOGA segue um dos cavaleiros negros, o embosca num pátio de trens e, mesmo sem sua armadura, destrói seu oponente com o PÓ DE DIAMANTE, recuperando uma das peças. No porto, SHIRYU e SHUN conseguem pegar mais dois cavaleiros negros e duas peças. Sem entender o que houve com o irmão. SHUN se preocupa com IKKI. SEIYA segue um cavaleiro negro até um estacionamento e, mesmo sem sua armadura, o derrota com um ME DÊ SUA FORÇA, PÉGASO, recuperando mais uma parte da armadura de ouro. Os Cavaleiros de bronze levam as partes recuperadas a SAORI. Como as armaduras de SHIRYU e SEIYA estão danificadas, SHIRYU parte para China, para falar com seu Mestre sobre como conserta-las. Para tentar localizar IKKI, a partir do cheiro das peças da armadura de ouro, SEIYA pede à polícia para usar um cão farejador chamado Hayate. Inconformado com a mudança de IKKI, SHUN vai a um bosque, onde seu irmão costumava treinar golpes numa árvore e se lembra dos tempos em que eles eram unidos. De repente, SHUN é atacado por Cisne Negro, uma cópia maligna de HYOGA a serviço de IKKI. Na hora H, HYOGA aparece e impede Cisne Negro de matar SHUN. Guiado pelo cão, SEIYA também chega ao local e presencia o duelo entre HYOGA e Cisne Negro. A luta é interrompida com a chegada dos cavaleiros Dragão Negro, Andrômeda Negro e Pégaso Negro. Eles se vão, pois IKKI os estava convocando, adiando o grande confronto. SAORI vai ao planetário construído por seu avô na Mansão. Preocupada com os acontecimentos, ela procura conforto nas lembranças de seu avô. O espírito de Mitsumasa aconselha SAORI a procurar se entender com os Cavaleiros, adotando uma postura mais gentil, para que ela possa cumprir sua missão. Mesmo sem entender direito, SAORI decide mudar. Enquanto isso, IKKI divide com os quatro cavaleiros negros as partes da armadura e ouro em seu poder, para as proteger até recuperar as demais partes e matar SEIYA e seus amigos. Ele envia a SEIYA um desafio, levado à sua casa por SAORI, que demonstra preocupação com seus Cavaleiros. SEIYA estranha a mudança de comportamento de SAORI.

VIDA PARA AS ARMADURAS

Na China, SHIRYU encontra seu Mestre e lhe explica o que se passa com IKKI e a armadura de ouro de Sagitário. O Mestre Ancião fala a SHIRYU sobre o Mu, um homem que tem o poder de consertar as armaduras sagradas. Tendo prometido a SEIYA, que lhe salvou a vida, que consertaria as armaduras, ele decide ir a Jamiel procurar Mu. Antes de ir, o Mestre Ancião testa SHIRYU com vários golpes, aconselhando-o a avançar, mesmo que forças do mal tentem impedi-lo, e o adverte dos riscos que irá correr. Depois de dias de viagem e lutando contra esqueletos vivos de Cavaleiros, que morreram durante a jornada, SHIRYU chega a Jamiel. Num pagode de cinco andares, SHIRYU encontra Kiki, um alegre e espevitado menino paranormal que tenta impedi-lo de prosseguir, jogando-lhe pedras telepaticamente. Depois de um CÓLERA DO DRAGÃO no pagode, Mu aparece diante de SHIRYU. Esperando encontrar uma pessoa terrível, SHIRYU se espanta ao ver que Mu é uma pessoa gentil. SHIRYU pede a ele para consertar as armaduras, mas Mu lhe explica que as armaduras estão mortas e que, para recupera-las, precisaria da sua vida. Mesmo tendo que se sacrificar, SHIRYU concorda e despeja seu sangue sobre a armadura de SEIYA, pois ele não precisaria da sua. Sensibilizado com a dedicação de SHIRYU, Mu o faz parar de sangrar e procura mantê-lo vivo, enquanto recupera as armaduras. Chega o dia de enfrentar IKKI e os quatros cavaleiros negros. Levados de helicóptero por SAORI e Tatsumi, SHUN, HYOGA e SEIYA se dirigem ao local da batalha. SAORI se mostra preocupada com eles. Nas montanhas onde IKKI marcou o encontro, SHUN pede aos amigos para amarrarem guizos nos pulsos, para dar sorte e poderem se localizar pelo som. Eles se separam, quando de repente a armadura de Pégaso aparece diante de SEIYA, consertada e trazida por Kiki, que conta a SEIYA o que se passou com SHIRYU. Certo do retorno de SHIRYU, SEIYA pede a Kiki para que ele espere por SHIRYU, naquele mesmo lugar, e que lhe entregue guizos também.

A BATALHA CONTRA OS QUATRO CAVALEIROS

Pouco mais adiante, SEIYA é emboscado pó Pégaso Negro. O duelo é duro, mas SEIYA consegue vence-lo, embora tenha sido atingido pelo golpe METEORO NEGRO. Infectado pela morte negra, SEIYA começa a ter manchas negras pelo corpo e fica muito febril. Doente, SEIYA cai pela encosta rochosa. HYOGA se defronta com Cisne Negro e usa o PÓ DE DIAMANTE contra TEMPESTADE NEGRA DE GELO de seu oponente. Cisne Negro é derrotado, mas antes de morrer, ele envia a Fênix informações sobre os golpes de HYOGA, usando seu símbolo de Cisne, pois os golpes de um Cavaleiro não funcionam duas vezes contra o mesmo rival. Sendo o único que pode enfrentar IKKI, HYOGA vai à procura dele, não percebendo o som dos guizos de SEIYA, em dificuldades. Logo em seguida, Cisne encontra Fênix e o duelo se inicia. HYOGA ataca com PÓ DE DIAMANTE, que não faz o menor efeito em IKKI, que contra-ataca com seu golpe FANTASMA DE FÊNIX e faz HYOGA ter um pesadelo de olhos abertos com sua mãe. Tomado de ira, Cisne tenta atacar novamente, mas IKKI consegue romper o peitoral da armadura de HYOGA e atinge-lhe o coração. Com HYOGA aparentemente morto, IKKI se afasta levando as peças da armadura de ouro. SHUN encontra a armadura de Pégaso, partes da armadura de ouro e SEIYA segurando-se nas pedras desfiladeiro abaixo, com a pele escurecida pela morte negra. Enquanto SHUN puxava SEIYA com sua corrente, Andrômeda Negro o ataca. Não podendo defender-se por estar segurando SEIYA, SHUN é coberto pela corrente de seu oponente, que se transforma em uma serpente. Para deixar o amigo lutar e recuperar a armadura de ouro, SEIYA se solta da corrente e escorrega pelo desfiladeiro, para desespero de SHUN. Chorando de fúria, SHUN reage e acaba com Andrômeda Negro. Enquanto isso, SHIRYU chega com sua armadura recuperada, para a alegria do pequeno Kiki, que lhe entrega os guizos de SEIYA. SHIRYU aparece para lutar com Dragão Negro e deixa SHUN livre para ir socorrer SEIYA. Sem estar totalmente recuperado da grande perda de sangue que sofreu, a luta é difícil para SHIRYU. Não entender por que SHIRYU veio debilitado para o duelo, Dragão Negro pergunta a ele a razão de tanto esforço. SHIRYU lhe responde que fazia isso pela amizade, pois sendo órfão, os amigos são tudo que lhe resta. Golpeando SHIRYU, Dragão Negro tenta romper as correntes de SHUN, que desceu pelo desfiladeiro para ir salvar SEIYA. Juntando suas últimas forças e sangrando muito, SHIRYU dá um CÓLERA DO DRAGÃO para defender SHUN e SEIYA. Prestes a morrer, Dragão Negro decide no último instante salvar SHIRYU, usando seu cosmo para fazer a hemorragia estancar. Por um instante, Dragão Negro quis acreditar na amizade. SHUN tira SEIYA do desfiladeiro. SHIRYU atinge os pontos do corpo de SEIYA, que representam as treze estrelas de sua constelação protetora, Pégaso, para tentar cura-lo. Ele e SHUN deixam SEIYA por alguns instantes, à procura de IKKI e HYOGA. De repente, IKKI aparece para acabar com ambos. SHIRYU se propõe a lutar contra IKKI, mas SHUN nocauteia o amigo. SHUN oferece sua própria vida, mas IKKI não muda de ideia e o agride. Antes de dar o golpe fatal em SHUN, SEIYA chega de repente e o impede, ainda que fraco. De súbito, HYOGA também aparece, para a surpresa de Fênix.

O SACRIFÍCIO DE IKKI

Com SHIRYU, SEIYA e HYOGA se preparando para atacar Fênix, SHUN tenta mais uma vez conversar com o irmão, segurando sua mão e lembrando das palavras de esperança de IKKI no dia em que se despediram. Antes que IKKI agredisse novamente SHUN, HYOGA os separa e desafia IKKI para a luta. HYOGA usa o PÓ DE DIAMANTE para fazer o golpe ESPÍRITO DIABÓLICO de IKKI se voltar contra ele mesmo. Com IKKI completamente paralisado pela ilusão, HYOGA ia desfechar o golpe fatal, quando SHUN o detém com a corrente de Andrômeda e pede para perdoar o irmão. Nisso, IKKI se recupera e atinge de novo o peito de HYOGA, que não se fere gravemente graças ao rosário de metal de sua mãe, guardado por baixo da armadura. Usando seu golpe AVE DE FÊNIX, IKKI derruba violentamente os Cavaleiros de bronze. Quando tudo parecia acabado, IKKI vê a armadura de ouro de Sagitário inexplicavelmente remontada e protegendo SEIYA. Ambos começam a lutar novamente e SEIYA parece estar muito mais forte do que nunca, conseguindo destruir a armadura e Fênix. Mas tendo o poder de reconstruir, a armadura volta para o corpo de IKKI, que ataca de novo para matar SEIYA. De repente, o escudo de SHIRYU, a corrente de SHUN e o cosmo congelante de HYOGA se unem a SEIYA contra IKKI. Juntos pela amizade, os cosmos dos quatro Cavaleiros se ligam e Fênix é gravemente ferido. Finalmente, IKKI escuta os apelos de SHUN e conta o que lhe aconteceu na Ilha da Rainha da Morte, comovendo a todos. Eles pedem para que IKKI abandone o ódio e se una a eles. De repente, a terra se abre em profundas fendas e surgem misteriosos cavaleiros em armaduras negras que levam a armadura de ouro. Fraco, IKKI escorrega por uma das fendas e SHUN vai ao seu socorro antes que caísse. À beira do precipício, SHUN pede ao irmão que lhe perdoe por ter deixado ele ir para a Ilha da Rainha da Morte em seu lugar e IKKI, achando que o mal que causou não tem perdão, não quer mais viver. IKI pede para SHUN soltá-lo, senão ambos vão cair, mas decidido a salva-lo, SHUN o puxa com toda sua força para cima. Enquanto isso, SEIYA, SHIRYU e HYOGA lutam contra os misteriosos cavaleiros que se apossaram da armadura de ouro e descobrem que seu líder é Dócrates, o maior dos cavaleiros de prata do Santuário. Ao ouvir o nome de Dócrates, IKKI alerta os Cavaleiros de bronze para fugirem por causa do golpe METEORO DE HÉRCULES. Dando a cabeça da armadura de ouro a SEIYA e mandando-o embora, IKKI usa o golpe AVE DE FÊNIX contra Dócrates e seus cavaleiros, criando uma gigantesca avalancha de terra. SHUN tenta ajudar IKKI, mas ele é tragado pela avalancha com os cavaleiros negros de Dócrates. SEIYA, SHUN, SHIRYU e HYOGA se salvam, enquanto outros cavaleiros fogem com o resto da armadura de ouro. Quando as coisas se acalmam, os Cavaleiros de bronze e Kiki fazem um enterro simbólico de IKKI, que num último instante se arrependeu de seus erros, prometendo recuperar a armadura que ele protegeu dando a própria vida. Agora eles sabem que outras pessoas também querem se apossar da armadura.

Capítulo 6  – O Mistério do Santuário

SURGE DÓCRATES

Num certo país na Europa, fracassa a conferência de paz e eclode uma guerra civil. Um petroleiro afunda no mar, causando um desastre ecológico. Tudo isso é provocado por homens obedientes ao Mestre do Santuário. O próprio Santuário se transforma num inferno, instalando-se a intriga e o terror. Aqueles que não juram fidelidade ao Mestre são torturados até a morte. Sheena convida Marin para um treino, mas o que ela quer efetivamente é se desforrar, pelo fato de SEIYA ter conquistado a armadura de Pégaso no lugar de Cássius. Percebendo o descontrole de Sheena, Aioria intervém para ajudar Marin, que lhe agradece a ajuda. Enquanto isso, o Mestre do Santuário, Ares, quer notícias de Dócrates, enviado para buscar a armadura de ouro de Sagitário. À noite, na Mansão Kido, SAORI, Tatsumi, SUN, SHIRYU, HYOGA e SEIYA estão chateados, pois eles tinham quatro partes da armadura e agora  têm só a cabeça, sem sequer saber contra quem estão lutando. Um barulho no saguão da Mansão atrai a todos: Kiki estava dando uma lição de educação para Tatsumi. Ainda sem repostas, decidem se recolher. SEIYA vai para casa e SAORI vai ao centro de informações da Fundação, pedir um levantamento sobre os últimos desastres ocorridos no mundo. Pela manhã, a Mansão é atacada por Dócrates, que sobreviveu à avalancha, e seus homens. Kiki vai chamar SEIYA, enquanto SHIRYU, SHUN e HYOGA vão enfrentar o gigantesco Dócrates. Mas mesmo os três juntos não conseguem enfrentar o golpe HÉRCULES TITÂNICO. SEIYA chega a tempo de impedir que Dócrates atacasse SAORI e o enfrenta com seu METEORO DE PÉGASO. Mas ao escutar as sirenes da polícia, Dócrates decide sequestrar SAORI e Tatsumi, dizendo aos Cavaleiros para entregarem a cabeça da armadura de ouro de Sagitário no Coliseu, em troca da vida dos dois, e fugindo em seguida. Enquanto isso, no Santuário na Grécia, o Mestre recebe notícias de que parte da armadura de ouro de Sagitário foi recuperada por Dócrates e que, além de pegar a parte que falta, ele também pretende matar SEIYA. Às escondidas, Marin escuta a conversa e se preocupa. Reunidos no planetário da Mansão, junto com a máscara de ouro, os Cavaleiros decidem entregá-la, fazendo um plano de ação. SEIYA e SHUN vão ao Coliseu para a troca, onde são hostilmente recebidos por Dócrates, suspeitando de que lá estaria o resto da armadura. Na hora da troca, os cavaleiros negros de Dócrates saem correndo com a máscara de ouro e Dócrates pega de novo SAORI. SHUN enfrenta três cavaleiros, enquanto SEIYA luta com Dócrates, que quer vingar a derrota que seu irmão mais novo, Cássius, sofreu quando disputou com SEIYA a armadura de Pégaso. Do lado de fora do Coliseu, HYOGA esperava os cavaleiros negros fugirem com a cabeça da armadura e os persegue pelas ruas. SHUN rapidamente Sá cabo dos cavaleiros negros e vai ajudar SEIYA na luta desigual contra Dócrates. Enquanto isso, HYOGA facilmente recupera a máscara de ouro e volta ao Coliseu. SEIYA liberta SAORI enquanto SHUN luta com Dócrates. Sem ter aparentemente um ponto fraco, HYOGA decide se arriscar para congelar as pernas de Dócrates, aplicando o golpe que aprendeu com seu mestre, o Cavaleiro de Cristal. Com Dócrates paralisado, SEIYA e SHUN partem para cima do adversário, mantando-o. SHIRYU E KIKI não conseguem impedir a fuga dos homens do Santuário com as outras partes da armadura.

A REVELAÇÃO DE ATENA

Nas ruínas do Coliseu, os Cavaleiros estão reunidos com SAORI e Tatsumi. SEIYA está confuso, pela descoberta de que Marin poderia ser sua irmã. Eles tentam descobrir o que significa o recado de Marin. Então Tatsumi revela que Mitsumasa Kido havia-lhe contado a maneira pela qual ele encontrou SAORI e que ela era a reencarnação de Atena. SAORI mesmo se emociona ao saber da verdade e desperta uma enorme energia, que passa a interagir com os Cavaleiros e com a máscara de ouro. De súbito, surge o cavaleiro de prata Babel (mais um…), com a missão de destruir todos. Sendo o único com sua armadura em condições de lutar, HYOGA coloca-se à frente de Babel. Com seu golpe CHAMA DIABÓLICA, Babel encurrala todos num canto. Com seus oponentes desarmados, ia dar o golpe final contra eles, quando surge do céu três cavaleiros desconhecidos com armaduras mecânicas, distraindo-o. HYOGA usa seu cosmo congelante para proteger os amigos dos incessantes ataques flamejantes de Babel. Então os três desconhecidos intervêm na luta para proteger Atena, apresentando-se como Sho, Daichi e Shu, os cavaleiros de aço: do vento, da terra e do fogo. Isso dá tempo para HYOGA juntar forças e soltar um PÓ DE DIAMANTE e derrotar Babel. Os cavaleiros de aço parte. Pouco antes de Babel morrer, Atena o ampara, dando-lhe uma passagem tranquila. Mesmo tendo sido ajudado, resta um novo mistério: quem seriam os cavaleiros de aço? No Santuário, Sheena pede para a deixarem dar cabo de SEIYA. O alarme toca anunciando desertores. Aioria detém os três meninos, dizendo que se voltassem poderiam ser perdoados. Argon, um cavaleiro de prata e Sheena aparecem, querendo castiga-los. Os meninos imploram perdão e Argon, dizendo que ficaria de costas fingindo nada ver, lhes dá uma chance. Mas ao se virar, em suas costas aparece o rosto de Medusa, transformando os meninos em pedra. Sheena se diverte e Aioria se espanta com tamanha maldade, preocupando-se com Marin, que não retornou ao Santuário. Sheena convida Argon para ir enfrentar os cavaleiros.

GISTE, A AMAZONA BANIDA

Ao receber a notícia de que Dócrates fora morto e de que a armadura de ouro ainda estava incompleta, o Mestre decide dar mais uma chance ao seu chefe da guarda. Por conselho de Sheena, chamam Giste, uma amazona que foi banida do Santuário por ter usado seus poderes contra as pessoas. Vivendo numa ilha afastada, Giste convoca seus cavaleiros fantasmas: Serpente Marinha, Golfinho e Medusa do Mar. Para atrair a atenção dos Defensores de Atena, eles destroem um cruzador e sequestram um petroleiro da Fundação, no Mar do Caribe. Para que não aconteça com o petroleiro o mesmo que aconteceu com o cruzador, eles exigem a presença dos Cavaleiros com a máscara de ouro. Ao receber a notícia e sem opção, os Cavaleiros decidem ir. Mantendo a tripulação do petroleiro como refém, Golfinho e Serpente mandam os Cavaleiros virem para o navio, enquanto Medusa estava na casa de máquinas pronto para explodir tudo. Obedecendo aos sequestradores, SEIYA se aproxima, deixando a máscara de ouro à frente. Golfinho e Serpente mandam SEIYA pôr grossas algemas em SHIRYU, SHUN e HYOGA e decidem lutar pessoalmente com Pégaso. Enquanto Golfinho e Serpente se distraíam com SEIYA, SHUN disfarçadamente usava sua corrente para deter Medusa na casa de máquinas e SHIRYU e HYOGA acendiam seus cosmos para se libertar. Facilmente eles dominam os sequestradores, quando de repente surgem centenas de navios antigos e piratas por todos os lados. As ilusões enganam os Defensores de Atena e os cavaleiros fantasmas de Giste aproveitam para pegar a máscara de ouro e fogem. Apesar de salvarem o petroleiro e a tripulação, SEIYA e dos demais ficam decepcionados. Preocupada com seus Cavaleiros, SAORI vai também ao petroleiro usando um caça sea-harrier. Chegando ao navio com Tatsumi, SAORI demonstra o quanto gosta e se preocupa com SEIYA, SHIRYU, HYOGA e SHUN, jogando suas jóias ao mar. Segundo ela, coisas podem ser recuperadas, mas vidas humanas não. Usando um satélite, SAORI localiza uma ilha para onde possivelmente Giste e seus cavaleiros foram. Confiantes, os Cavaleiros tomam um helicóptero para ir até a ilha suspeita, mas ao se aproximarem, são derrubados no meio do mar por uma onda de energia emitida por Giste. O helicóptero afunda no oceano, mas SEIYA, o piloto, SHIRYU, HYOGA e SHUN logo voltam à tona. De repente, SHUN é puxado para o fundo e HYOGA mergulha para ajudar o amigo. Vendo uma gigantesca serpente marinha enrolar SHUN, HYOGA usa o PÓ DE DIAMANTE contra o monstro. Na superfície, o monstro toma a forma humana do cavaleiro Serpente Marinha. HYOGA manda os amigos irem para ilha, ficando para lutar contra Serpente. Usando novamente o PÓ DE DIAMANTE, HYOGA congela parte da superfície do mar e quando Serpente se esborracha contra o gelo, SEIYA grita ME DÊ SUA FORA, PÉGASO, dando-lhe um golpe fatal. Os Cavaleiros chegam na ilha a nado. A praia é rochosa e uma alta parede de pedras é um obstáculo. Sem equipamentos de alpinismo, SEIYA, HYOGA e SHIRYU precisam da ajuda de SHUN e suas correntes para escalar o paredão. No meio da escalada, os Cavaleiros são atacados por insetos venenosos. Enfraquecido pela luta contra Serpente, HYOGA escorrega, mas pe amparado por SHUN. Para escapar dos insetos e subir mais rápido, SHUN manda os amigos se agarrarem à corrente e ordena que ela os puxe. Chegando ao topo eles se deparam com o cavaleiro Golfinho. SHIRYU aceita o desafio e o manda desfiladeiro abaixo. Fraco, HYOGA manda os amigos prosseguirem, para alcançá-los depois. SHUN, SHIRYU e SEIYA se embrenham na mata ao redor do castelo de Giste. No meio da mata, eles são atacados por morcegos e SHIRYU, que havia mergulhado num pântano, é jogado para a margem, carregado de eletricidade. Ferido, SHIRYU também manda os amigos continuarem, prometendo alcança-los assim que se recuperar. Flutuando sobre o pântano com um tronco, SHUN e SEIYA vão pela água mata adentro. De repente, são derrubados pelo cavaleiro Medusa, que tenta estrangular SEIYA. SHUN ajuda SEIYA e ataca Medusa e, com suas correntes, que lhe dá uma enorme carga elétrica. SEIYA desfere furiosos golpes contra Medusa, liquidando-o e indo ajudar o amigo ferido. Também enfraquecido, SHUN pede a SEIYA para pegar a máscara de ouro. Agradecendo o esfoço de SHUN, SEIYA vai ao castelo de Giste. No castelo, SEIYA se depara com um truque de Giste: várias máscaras de ouro, uma ao lado da outra. Para descobrir qual é a verdadeira, SEIYA despeja uma chuva de golpes sobre as máscaras. Todas se quebram, menos a verdadeira, capaz de resistir aos golpes. Giste decide enfrentar SEIYA, que percebe que os dela são iguais aos de Sheena, que sempre foi uma rival difícil, suspeitando que ela também é ligada ao Santuário. O duelo é terrível e SEIYA é dominado por Giste. Ao se preparar para dar o golpe fatal em SEIYA, sem explicação a máscara de ouro ataca Giste, dando a SEIYA tempo para reagir, atirando um METEORO DE PÉGASO. Muito ferida e sem sua máscara de amazona, Giste morre antes que SEIYA pudesse obter respostas sobre o Santuário. Na porta do castelo, SEIYA encontra HYOGA, SHUN e SHIRYU, recuperados. A máscara de ouro está nas mãos de SEIYA, como um troféu, para a alegria dos Cavaleiros.

O MALIGNO CAVALEIRO DE CRISTAL

De volta à Mansão Kido, SAORI, Tatsumi, Kiki e os Cavaleiros assistem pela TV ao incêndio do Coliseu, aparentemente criminoso. Ainda estão confusos, por não saberem ao certo contra quem estão lutando. No Santuário, o Cavaleiro de Cristal é chamado para lutar contra os Cavaleiros de bronze. Marin observa a discussão entre o Cavaleiro de Cristal e o chefe da guarda do Mestre. Cristal sempre lutou pelo bem e se recusava a obedecer tais ordens. Insistindo em falar pessoalmente com o Mestre para esclarecer tudo, soldados tentam prender Cristal, que aniquila a todos. A luta é interrompida pelo próprio Mestre, que com um golpe domina a mente do Cavaleiro de Cristal e o torna maligno. SAORI parte com SHUN e com a máscara de ouro para sua casa nas montanhas, que lhe servirá de esconderijo. A procura de esclarecimentos, HYOGA vai visitar o Cavaleiro de Cristal na Sibéria e SEIYA decide fazer o mesmo, indo ver Marin na Grécia. Mas perto do Santuário, SEIYA era aguardado por soldados de Sheena. A luta começa e mesmo sem sua armadura, SEIYA os vence com facilidade. Sheena ataca-o, para vingar Giste. Sem opção, SEIYA veste sua armadura e trava um terrível duelo com Sheena. De repente, Marin aparece e interrompe a luta, acusando Sheena de sair do Santuário sem permissão e mandando SEIYA embora. Ele tenta explicar por que veio vê-la, mas Marin não pode deixar que Sheena desconfie que ela quer ajuda-lo. Fingindo lutar com SEIYA, Marin conta a ele que Cristal havia sido hipnotizado, que Cisne corria perigo e o deixa fugir. Na Sibéria, ao chegar à vila onde morou, HYOGA encontra as casas abandonadas. Sem entender o que se passa, HYOGA corre para encontrar Cavaleiro de Cristal, mas acaba encontrando seu amiguinho, o pequeno Jacó, bastante exausto e ferido. HYOGA o leva para a vila e Jacó, feliz por ver o amigo de volta, conta-lhe que homens desconhecidos muito ruins vieram e levaram todos da aldeia e que o Cavaleiro de Cristal havia mudado muito. HYOGA vai à casa onde Cristal mora e é recebido com violentos golpes. HYOGA não consegue acreditar no que vê, lembrando-se do homem bom e poderoso que ele era. Sem a armadura, HYOGA apenas se esquiva dos golpes. De repente, sentindo dores por causa do domínio mental do Mestre, Cristal pára de atacar e HYOGA aproveita par fugir. Na China, SHIRYU fica sabendo pelo Mestre Ancião, que há um mestre no Santuário e pela resposta esquiva, ele compreende que é uma pessoa que não merece o posto em que está. Enquanto isso, uma gigantesca pirâmide de gelo está sendo construída na Sibéria, com o trabalho forçado dos aldeões.  Usando sua armadura, HYOGA decide ir lutar contra seu Mestre. Pouco depois, SEIYA chega à vila e encontra Jacó, que lhe conta que Cisne foi à pirâmide de gelo. Chegando à pirâmide, HYOGA enfrenta soldados com metralhadoras e liberta seu pessoal. O Cavaleiro de Cristal chega e desafia HYOGA. Um terrível duelo começa. Decidido a matar HYOGA, Cristal congela as pernas de Cisne e desfere-lhe vários golpes. Um dos soldados escondidos tenta atirar em HYOGA pelas costas, mas é pego por SEIYA, que ajuda Cisne libertar-se. HYOGA continua lutando, mas é violentamente atingido por Cristal. SEIYA ajuda o amigo a levantar-se. Pergunta a Cisne como ele se sente e ele responde: Como um filho que tenha levantado a mão contra o próprio pai. Você tem de usar seus poderes, senão ele vai matá-lo, adverte SEIYA. PÓ DE DIAMANTE contra PÓ DE DIAMANTE. Sentindo novamente a estranha dor, Cristal ano consegue se concentrar e é atingido por HYOGA. Muito ferido, Cristal se liberta do domínio mental e destrói a pirâmide de gelo. HYOGA e SEIYA correm para tentar fazer algo por Cristal, mas ele está morrendo. Nos braços de HYOGA e segurando a mão do aluno, Cristal lhe pede para nunca hesitar quando lutar pela justiça. Ao ver seu Mestre morrer, HYOGA o abraça cheio de dor e lágrimas, comovendo SEIYA.

O CAVALEIRO DE FOGO

Diante da morte do Cavaleiro de Cristal, o chefe da guarda do Santuário se dirige com Cavaleiro de Fogo à Mansão Kido, para tentar descobrir onde está a máscara de ouro. Ele não avisa ao Mestre do Santuário, temendo que seu fracasso lhe custe a vida. Não encontrando nada nem ninguém, eles incendeiam a Mansão. Vendo o incêndio pela TV, SAORI quer ir até lá, mas SHUN adverte dizendo que aquilo era uma cilada. Sensata, SAORI decide ficar com SHUN, mas Tatsumi vai e é pego pelos homens do Santuário e sob tortura acaba falando onde a máscara de ouro estava. Na casa nas montanhas, SAORI e SHUN se preocupam com ausência de Tatsumi. Percebendo barulho do lado de fora, SHUN veste sua armadura e encontra os homens do Santuário com Tatsumi e o Cavaleiro de Fogo. SAORI permanece na casa com a máscara nas mãos, enquanto SHUN bate todos os soldados do Santuário. O Cavaleiro de Fogo ataca SHUN com seu poderoso cosmo flamejante. SHUN consegue defender-se com a corrente de Andrômeda, mas a casa de SAORI e as árvores ao redor começam a pegar fogo. Não conseguindo atacar, SHUN está coberto pelas chamas. O chefe da guarda do Santuário invade a casa e diz a SAORI para entregar a máscara, se quisesse salvar SHUN. De repente, outra onda flamejante cai onde SHUN estava e um Cavaleiro o tira das chamas. Era Fênix, renascido das cinzas. Os homens do Santuário ficam contentes ao vê-lo, mas IKKI os ataca e mata o Cavaleiro de Fogo. Os sobreviventes fogem. IKKI vai ver se SHUN está bem. SAORI com a máscara de ouro e SEIYA e HYOGA, recém-chegados, se emocionam ao ver que IKKI está vivo.

OS TERRÍVEIS CAVALEIROS DE PRATA

No Santuário, Phyton assume o posto de chefe da guarda e dá ordens para Marin matar SEIYA, indo ajudar os cavaleiros de prata designados para a missão. Na casa nas montanhas, uma pequena festa é dada pela volta de IKKI, e SHUN chora de alegria. SHIRYU também retornou da China, e juntando as informações de todos, eles descobrem os planos do Mestre do Santuário em ter a armadura de Sagitário para evitar que alguém possa usá-lo e impedi-lo de dominar o mundo. Decididos a atacar o Santuário, SAORI pede aos Cavaleiros que esperem e descansem, para poderem se recuperar. SEIYA vai visitar Mino, Kiki e as crianças no orfanato. Passeando com Kiki e Mino pela praia, de repente SEIYA encontra Marin e um cavaleiro que o desafia. É o cavaleiro de prata Misty, que, convencido de sua superioridade, bate em SEIYA, julgando-o vencido. Mino vai correndo chamar os outros Cavaleiros e Kiki usa seus poderes paranormais para trazer a armadura de Pégaso para SEIYA. Ele usa seus golpes contra Misty, mas nada o afeta. Marin vem por trás e golpeia SEIYA no peito. Misty a cumprimenta, por ter acabado tão facilmente com SEIYA. Dando SEIYA como morto, eles o sepultam na praia, mas Misty desconfia de algo e manda Marin embora. De repente, SEIYA salta para fora da areia. Marin havia feito uma ilusão. Misty joga sua energia contra SEIYA, que nada consegue fazer contra o cavaleiro de prata. Usando seu golpe FORÇA DEMONÍACA, Misty golpeia SEIYA e o joga no mar. Sujo com o sangue de SEIYA, o vaidoso e narcisista Misty tira sua armadura e se lava no mar. SEIYA surge novamente e desafia Misty, mandando-o vestir a armadura e voltam a duelar. Desta vez, SEIYA consegue atingir Misty com um METEORO. Tornando-se cada vez mais forte, SEIYA resiste e iguala seu poder aos dos cavaleiros de prata, peando Misty e jogando-o no mar. Na água, SEIYA facilmente consegue liquidar Misty. Dois outros cavaleiros de prata, Moses e Asterion, e Marin chegam à praia ao anoitecer e encontram Misty morto. Descoberta a farsa de Marin, os cavaleiros de prata decidem usar Marin para atrair SEIYA, desconfiando que ela era irmàdo Cavaleiro de Pégaso. SEIYA, que estava em sua casa, é avisado por Kiki de que ela estava em perigo e corre para a praia. Amarrada à cruz que marcava a sepultura improvisada de SEIYA, a maré começa a cobrir a cabeça de Marin. Primeiro SEIYA enfrenta Moses e seu poderoso golpe, que joga o adversário para cima para bater em sua cabeça. Ao ouvir de Moses que Marin era sua irmã, SEIYA consegue despertar um cosmo mais poderoso e o derrota. Com o poder de ler os pensamentos dos adversários e de criar reproduções ilusórias de si mesmo, Asterion começa a lutar com SEIYA. Kiki que ficou a espreitar a luta, libera Marin, que impede Asterion de dar um golpe fatal em SEIYA. Usando seu golpe ÁGUIA DE FOGO e esvaziando sua mente de pensamentos, Marin consegue acabar com Asterion. HYOGA, avisado por SAORI de que SEIYA precisava de ajuda, chega à praia. Ele encontra SEIYA desacordado e Kiki, mas nada de Marin. Ela deixa escrito na areia cuide de Atena, que ninguém entende o que significa.

A ESCURIDÃO COMO ALIADA

SEIYA, SHUN e SHIRYU tomam um jato para ir à Grécia obter mais informações sobre o Santuário, e espiões inimigos logo enviam a notícia. Ao sobrevoar o Mar Mediterrâneo, uma forte energia atrai o avião para uma ilha e eles são obrigados a pousar. Os Cavaleiros e a tripulação conseguem sair do avião. A corrente de SHUN aponta para a presença de Sheena e Spartan, um cavaleiro de prata com poderes telecinéticos, que causou a aterrissagem forçada do avião. Sheena desafia SEIYA, Spartan decide lutar contra SHIRYU e Argon luta contra SHUN. A batalha começa. Spartan, usando sua mente, golpeia incansavelmente SHIRYU sem precisar se mexer. Sheena consegue bloquear todos os golpes de SEIYA. Sem opção, SEIYA fere gravemente Sheena, jogando-a contra as pedras, chamando a atenção de Argon e de Spartan. Querendo pegar SEIYA, Argon encurta sua luta com SHUN, transformando-o em pedra ao mostrar-lhe o escudo da Medusa em suas costas. Enquanto isso, no Japão, SAORI, HYOGA e IKKI recebem a notícia do desaparecimento do jato em que estavam os outros Cavaleiros. IKKI preocupa-se com SHUN. Ele e HYOGA partem de avião para encontrar os amigos. SEIYA duela com Argon e ambos se ferem. SHIRYU resiste a Spartan, que vai acudir Sheena. SEIYA e SHIRYU tentam ajudar SHUN. Argon mostra a SEIYA e SHIRYU seu escudo da Medusa e também transforma SEIYA em pedra. SHIRYU, que conhecia a Medusa e a lenda de Perseu, se protege cobrindo sua visão com seu escudo. O único jeito de salvar SHUN e SEIYA é matando Argon, mas ele não pode olhar para o escudo da Medusa e por isso não consegue usar o CÓLERA DO DRAGÃO, com toda sua força. Argon transforma Spartan acidentalmente em pedra, durante a luta com SHIRYU. Sem ter como atacar, SHIRYU se defende com duros golpes, assim como fé Perseu contra Medusa na mitologia grega, mas Argon já conhecia essa tática e o derruba. SHIRYU cobre os olhos para lutar de frente com Argon, mas a venda se rasga e ele fica com o braço esquerdo petrificado. De repente chegam os cavaleiros de aço. Eles comunicaram a localização da queda do avião e ajudam SHIRU, mas Argon é mais forte. SHIRYU toma uma decisão drástica: fere os próprios olhos para poder lutar contra Argon. Através do cosmo de Atena, SHIRYU sente os movimentos de Argon e consegue desferir um CÓLERA DO DRAGÃO certeiro contra Argon, destruindo-o e o escudo. Spartan volta ao normal e foge levando Sheena. SEIYA e SHUN também voltam ao normal e se comovem ao ver SHIRYU cego. Os Cavaleiros de aço dizem para procurar o doutor Mamori no Laboratório Galar, se quisessem saber mais sobre eles, e partem. O avião de IKKI e HYOGA se aproxima e SHUN e SEIYA socorrem SHIRYU.

OS CORVOS DE JAMIAN

No Japão, SHIRYU está sendo operado e SHUN fica à espera, preocupado. SAORI e os demais vão ao laboratório e descobrem que os cavaleiros de aço são um projeto secreto patrocinado por Mitsumasa Kido, para ajudar a proteger SAORI no futuro. No hospital, SHIRYU sai da cirurgia, ainda anestesiado. Os médicos dizem que ele vai sobreviver, mas nunca voltará a enxergar. SAORI e os Cavaleiros ficam profundamente tristes. Mais tarde, já recuperado, SHIRYU está para deixar o hospital. Ele vai voltar para a China com Shunrei. Os Cavaleiros de bronze e de aço, Kiki e SAORI se despedem do amigo e pedem para ele retornar em breve. No Santuário, Sheena pede a Phyton para lhe dar mais uma chance de pegar SEIYA, mas ele já havia envido Jamian, o cavaleiro de prata domador de corvos, para sequestrar SAORI e destruir os Cavaleiros. Sheena decide ir por conta própria ao Oriente. Na base da Fundação, SEIYA quer atacar o Santuário, mas todos propõem uma atitude mais prudente. Depois de discutir com SEIYA, por causa de SHIRYU, IKKI decide ficar sozinhos por uns tempos. SHUN, HYOGA e SEIYA estão conversando a respeito da partida de IKKI, quando sente que SAORI corre perigo. Eles vão às ruínas do Coliseu e vêem SAORI sendo levada por um grande bando de corvos. Ao seguir os corvos, são atacados por soldados de Jamian. HYOGA e SHUN ficam para combater os soldados, enquanto SEIYA persegue as aves que levam SAORI para uma região montanhosa. SEIYA encontra Jamian e SAORI, que está desacordada. Jamian ataca SEIYA com seus corvos e seu golpe PLUMA NEGRA. Ele é coberto por milhares de penas, que vão ficando pesadas e o sufocam.com SEIYA imobilizado, Jamian manda seus corvos levarem SAORI embora e passa a bater direto em SEIYA. Para se libertar, SEIYA acende violentamente seu cosmo, surpreendendo Jamian, e sai correndo atrás deSAORI. Num ato desesperado, antes que os corvos se afastem, SEIYA dá um METEORO, que arrebenta em pleno vôo as cordas que prendem SAORI, e a segura firme pelo braço, amortecendo sua queda e evitado que ela mergulhe num precipício. Jamian tenta joga-los pelo precipício, mas SEIYA consegue passar-lhe uma rasteira. De repente, chega Sheena. Ela e Jamian cercam SEIYA e SAORI, que desperta num momento difícil, pois SEIYA está com um braço ferido. É noite e, sem opção de defesa, SEIYA pergunta carinhosamente à sua protegida: SAORI, você se incomoda em arriscar tudo ou nada? SEIYA, eu confio em você, ela responde. SEIYA e SAORI se abraçam e saltam precipício abaixo, sumindo na escuridão. Enciumada, Sheena está decidida a matar SEIYA e separa-lo de SAORI. Sheena e Jamian decidem esperar pelo amanhecer, para ir atrás dos dois. Amanhece e um milagre acontece. SEIYA e SAORI sobrevivem à queda, mas SEIYA está ferido e desmaiado. Sheena os encontra e SAORI decide proteger SEIYA. Disposta a acabar com ambos, Sheena é interrompida por Jamian, que recebeu ordens de levar SAORI. Então SAORI usa seu poderoso cosmo para paralisar Jamian e jogar seus corvos contra ele mesmo. Finalmente SHUN e HYOGA encontram SEIYA e SAORI e lutam contra Sheena e Jamian, que acabam caindo desfiladeiro abaixo. Mas antes que possam ir embora, aparecem os cavaleiros de prata Cérebro, Dante, Auriga e Capela, decididos a levar SAORI, por ordem do Mestre. Com sua pesada corrente Dante ataca HYOGA, que é defendido por SHUN e a corrente de Andrômeda. Capela joga vários de seus discos cortantes, que não conseguem passar pela DEFESA CIRCULAR de SHUN. Dante consegue prender a perna de CHUN com sua corrente e HYOGA usa o PÓ DE DIAMANTE contra os discos de Capela, mas um lhe escapa e o atinge por trás. Usando a outra ponta de sua corrente, Dante prende uma das pernas de HYOGA e joga ambos pelo desfiladeiro. Prestes a agarrar SAORI, Dante e Capela são detidos pelo poderoso cosmo de IKKI, que aparece para ajuda-los. Com um certeiro AVE DE FÊNIX, IKKI derrota Capela e Dante o desafia. Enquanto isso, SHUN e HYOGA recobram a consciência, dependurados num galho em que a corrente de Dante ficou presa, salvando-lhes a vida. Ao tentarem se libertar, o galho cede. SHUN prende suas correntes em duas pedras, evitando a queda. Mas ele e HYOGA continuam em situação difícil. IKKI enfrenta e derrota Capela. Recuperando-se, Dante joga seus discos contra IKKI, que lhe atira uma ilusão de Fênix e faz seus próprios discos o atacarem. Carregando SEIYA e se afastando com SAORI, Capela reage e joga suas correntes contra IKKI de novo, mas SHUN chega de repente e detém seu golpe. IKKI decide deixar as coisas para SHUN e HYOGA e vai embora. Assumindo por IKKI, SHUN enfrenta Capela e lhe dá o troco, jogando-o no desfiladeiro. Muito ferido durante a queda, SEIYA pe carregado de volta por HYOGA e SAORI se culpa pelo que aconteceu com ele e SHIRYU.

O RETORNO À ILHA DA RAINHA DA MORTE

No hospital, SEIYA ainda está mal. SHUN e HYOGA falam sobre IKKI, e SAORI sente que um cosmo extremamente negativo ameaça o Cavaleiro de Fênix. De volta a Ilha da Rainha da Morte, IKKI é recebido agressivamente por soldados do novo Mestre da Ilha, Jango. Encontrando uma flor num local estéril, ele se lembra de Esmeralda e de seu duro passado. Ao saber que IKKI aceitou um desafio de Jango, SHUN, SEIYA e HYOGA decidem ir até a Ilha para ajudá-lo. Indo visitar o túmulo de Esmeralda, IKKI é atacado por Jango e os cavaleiros das trevas. Prestes a ser derrotado, quase morrendo, IKKI escuta os amigos a chamá-lo e reage, invocando sua armadura de Fênix.  Levados de helicóptero por um dos cavaleiros de aço, HYOGA, SHUN e SEIYA partem para luta. IKKI duela com Jango e o derrota com um golpe fantasma. De um navio, SAORI e os três cavaleiros de aço observam a Ilha. Ela sente uma terrível cosmoenergia ameaçando todos. Com Jango e os cavaleiros das trevas irremediavelmente derrotados, o Mestre envia um cosmo poderosamente destruidor e toda a Ilha começa a se destruir e afundar. SAORI usa pela primeira vez seu cosmo para envolver SEIYA, SHUN HYOGA e IKKI e protege-los, tirando-os da Ilha, que desaparece no meio do mar, numa gigantesca erupção. Na China, SHIRYU descansa para se recuperar, mas ainda tem pesadelos com o dia em que ficou cego. Dedicada, Shunrei cuida dele e procura motiva-lo a se recuperar. SHIRYU treina com os pássaros, mas está desapontado. Ele sente a presença de seu oponente, mas não consegue acompanhar seus movimentos. SHIRYU acha que será um empecilho para seus amigos. No Japão, todos estão preocupados com SHIRYU e SEIYA quer ir falar com Mu, para tentar encontrar uma cura para o amigo.

O GRANDE DESAFIO DE SHIRYU

No rio que corre na base da cascata onde SHIRYU treinava, Shunrei o leva para um passeio. Fazendo calor, Shunrei decide ir nadar, mas pega por uma forte correnteza, começa a se afogar. SHIRYU sente que ela está em perigo, mas não consegue encontra-la por causa do barulho da cachoeira. De repente, outro rapaz mergulha e salva Shunrei. Pela voz, SHIRYU reconhece seu velho oponente de infância, Okko. SHIRYU agradece Okko por salvar Shunrei e ele lhe diz que apenas voltou para acertar contas do passado. Não podendo aceitar a existência de alguém mais forte que ele mesmo, Okko vai logo desafiando SHIRYU e lhe lança o golpe GRANDE FURACAO DO TIGRE, atingindo-o em cheio. Nesse momento Shunrei acorda e pede para a luta parar, avisando que SHIRYU não conseguia enxergar. Diante da situação, Okko se dá por vitorioso e se vai, dizendo que aquele não era o mesmo SHIRYU que ele conheceu e que ele voltaria para um novo duelo. Agora SHIRYU começa uma luta contra si mesmo, para encontrar forças e readquirir a confiança de antes, mesmo sem enxergar. À noite, acampado no bosque, Okko recebe uma visita do Mestre Ancião. Okko lhe pergunta se ele veio por estar preocupado com o fato de SHIRYU ter sido derrotado. O Mestre lhe responde que se SHIRYU morrer, será o destino, mas Okko jamais conheceria o verdadeiro poder. No dia seguinte, SHIRYU decide enfrentar Okko e deixa sua armadura com o Mestre, dizendo que se ele fosse realmente o homem digno de ser o Dragão, ele voltaria. O Mestre diz a SHIRYU que, para acender novamente seu cosmo, precisaria saber exatamente por que estaria lutando. Nesse meio tempo, SEIYA enfrenta a difícil viagem a Jamiel, para falar com Mu sobre algo que possa curar SHIRYU. SHIRYU se apresenta a Okko para o duelo. Para lutar em iguais condições, Okko venda seus próprios olhos. Com golpes rápidos, Okko ataca e SHIRYU procura se desviar. Ambos acabam se agarrando e caem cascata abaixo. Às margens do rio, Okko encontra SHIRYU e a luta recomeça. Sem opção, SHIRYU lança um CÓLERA DO DRAGÃO e acerta Okko, mas sem feri-lo uma vez que não consegue usar toda a sua força. Pensando na batalha contra o Santuário, que seus amigos irão enfrentar, SHIRYU descobre a razão pela qual estava lutando contra Okko: ele tinha que estar ao nível de seus companheiros. Apenas assim e unidos por fortes laços de amizade, poderiam proteger o mundo. Isso faz o cosmo de SHIRYU se elevar e consegue disparar um CÓLERA DO DRAGÃO ainda mais poderoso, atingindo Okko. Nas águas calmas do rio e nos braços de SHIRYU, Okko finalmente descobre por que SHIRYU tinha o verdadeiro poder e o velho mestre diz que voltaria a aceita-lo como discípulo. Muito ferido, Okko agradece e morre. SHIRYU agradece ao antigo amigo e rival por ter lhe dado o que precisava para unir-se novamente aos Cavaleiros. A armadura de ouro de Sagitário, que estava no Santuário, e a máscara, que estava com SAORI e os Cavaleiros, somem misteriosamente. Na China, SHIRYU trabalha na plantação de arroz, na ausência do Mestre Ancião, que partiu de repente, em dizer para onde iria. Em Jamiel, SEIYA encontra Kiki e descobre que Mu tinha ido embora, sem dizer para onde foi. Kiki lhe conta a respeito de uma água milagrosa da montanha de Jandra, perto de Jamiel, capaz de curar qualquer problema. Mas a montanha é perigosa e por causa das interferências mágicas os poderes de Kiki não funcionam. SEIYA decide arriscar sua vida para pegar a água milagrosa. Enfrentando desmoronamentos sendo atacado por águias, SEIYA enfim consegue chegar à nascente da água milagrosa. Enquanto isso, na base da montanha de Jandra, Kiki aguardava o retorno de SEIYA, quando chegou Tarântula Araknei, um cavaleiro de prata enviado pelo Santuário para encontrar Mu. Kiki diz que não sabe onde Mu está. Ao chegar, SEIYA o manda deixar Kiki em paz. Sabendo que SEIYA tinha liquidado Misty e outros cavaleiros de prata, Araknei decide enfrentar Pégaso. Araknei usa seu golpe TEIA DE TARÂNTULA para prender SEIYA e sugar-lhe o cosmo. Enviado por SAORI para trazer SEIYA de volta ao Japão, Sho, um dos cavaleiros de aço, ajuda SEIYA a libertar-se e armar-se. Decidido a vencer por SHIRYU, SEIYA lança um ME DÊ SUA FORÇA, PÉGASO que atravessa Arknei e o mata. SEIYA dá a água milagrosa para Kiki levar a SHIRYU e decide voltar para o Japão com Sho.

AIORIA, O CAVALEIRO DE OURO DE LEÃO

De volta ao Japão, SEIYA fica sabendo do desaparecimento da máscara de ouro. Cansado e febril, ele é levado para descansar na clínica da Fundação. No Santuário, sabendo da morte de Araknei, o Mestre chama os cavaleiros de ouro. Ele diz a Milo, o Cavaleiro de Escorpião, que os Cavaleiros de bronze são traidores, que SAORI é uma Atena farsante e querem tomar o Santuário usando a armadura de Sagitário, referindo-se ao antigo cavaleiro de ouro Aioros como um traidor. O Mestre manda Milo matar os Cavaleiros de bronze, mas ele se recusa, achando que esse trabalho é pequeno demais para um cavaleiro de ouro. Aioria, conhecido como o mais forte dos cavaleiros de ouro, interrompe a conversa e pede para cuidar do assunto no lugar de Milo, para limpar o nome do irmão. O Mestre concorda e deixa Aioria partir para o Oriente. Na clínica, SEIYA é atacado por Sheena. Mesmo machucado e de pijama, ele foge. Como não consegue bater em mulheres, prefere fugir de Sheena. Sheena conta a SEIYA que ela era a menina que um dia ele viu sem máscara e ajudou. Sabendo que nada poderá existir entre eles, Sheena decide matar SEIYA. Diante dos ataques de Sheena, SEIYA apenas esquiva. De repente, ambos sentem um poderoso cosmo de aproximar. Sheena manda SEIYA fugir, mas são jogados longe pela força do cosmo. Era Aioria, com a armadura de ouro de Leão. Sheena decide atacar Aioria para dar uma chance para SEIYA fugir, mas com um simples movimento da mão, ele a derruba. Falando das suas razões para matar os Cavaleiros de bronze, Aioria diz que cresce detestando o irmão por ter se tornado um traídos do Santuário. SEIYA lhe responde que se ele gostasse realmente de seu irmão, confiaria mais nos atos de Aioros, como ele confia em Atena e seus amigos. Ao ver que Aioria ia deferir um golpe fatal em SEIYA, desarmado, Sheena o protege com seu próprio corpo. Aioria usa seu cosmo para evitar que Sheena morra e suspende o duelo. De repente, aparecem três cavaleiros de prata, Argeti, Dios e Sirius, que seguiram Aioria por ordem do Mestre, e decidem matar SEIYA, diante da atitude do cavaleiro de ouro. Indefeso, SEIYA não tem como reagir ao ataque dos três cavaleiros de prata ao mesmo tempo. De súbito e sem qualquer explicação, a armadura de ouro de Sagitário aparece e cobre o corpo de SEIYA, acabando em um só brilho com os cavaleiros de prata. Surpreso, Aioria decide colocar Sheena sob uma árvore e ficar para lutar contra SEIYA. Ele desfere um CÁPSULA DO PODER mas, com a ajuda das asas da armadura de Sagitário, SEIYA levanta vôo e se desvia do golpe de Aioria. SEIYA consegue contra-atacar com um METEORO, mas não o suficiente para derrota-lo. Aioria acerta SEIYA, que resiste graças à armadura. SHUN e HYOGA chegam na hora para deter Aioria, que acredita estar lutando por Atena. SEIYA tenta explicar que Aioria está enganado, quando SAORI chega. SAORI conta a Aioria que ela era a criança que Aioros salvou e que o Mestre era na verdade a reencarnação do mal. Apesar do poderoso cosmo de Atena, Aioria não consegue acreditar e propõe a SAORI que ela detenha seu golpe, coisa que ó a verdadeira Atena poderia fazer. SAORI concorda, mas SEIYA protesta, pois um verdadeiro Cavaleiro jamais agrediria uma mulher. SAORI se prepara e Aioria lança um CÁPSULA DO PODER. SEIYA se coloca na frente de SAORI e consegue deter a energia emanada por Aioria e a lança de volta, derrubando-o. Aioria vê o cosmo de Aioros por trás de SEIYA e entende finalmente que ele estava errado. Aioria se ajoelha, pede perdão a Atena, e parte levando Sheena, e avisa SEIYA de que existem doze armaduras de ouro. A armadura de ouro sai do corpo de SEIYA e aponta para o Santuário, indicando que a grande batalha final se aproxima. Então ela se vai, sem deixar vestígio.

APARECE A MÁSCARA DA MORTE

Na China, SHIRYU recebe a água milagrosa de Kiki que lhe conta como SEIYA a conseguiu. Finalmente o Mestre Ancião retorna e fala para SHIRYO sobre o Santuário, o perverso Mestre e as doze armaduras de ouro. De repente, SHIRYU pressente perigo para o Mestre Ancião: era o Cavaleiro de ouro Máscara da Morte de Câncer, enviado pelo Mestre do Santuário, para matar o velho Mestre. Decidido a proteger seu Mestre, mesmo cego e sem sua armadura, SHIRYU luta com a Máscara da Morte. É atacado violentamente e jogado cachoeira abaixo. Ao ver SHIRYU caído, Shunrei desmaia e Kiki a ampara. Na água, SHIRYU fortalece seu cosmo e consegue invocar sua armadura, voltando para enfrentar Máscara da Morte. Quando o cavaleiro de Câncer ia atacar novamente, Mu aparece com sua armadura de ouro de Áries e interrompe a luta. Pronto para defender seu amigo SHIRYU, Mu se propõe a lutar contra Máscara da Morte. Sabendo que não pode lutar contra dois cavaleiros de ouro, Máscara de Ouro decide adiar a batalha. O Mestre Ancião agradece a intervenção de Mu e cumprimenta SHIRYU, que acabava de descobrir que seu Mestre era também o cavaleiro de ouro de Libra. Reconhecendo que SHIRYU tinha madurecido muito e que agora era um dos maiores Cavaleiros que conhecia, o Mestre Ancião diz a SHIRYU que ele deixava de ser um aluno e que dali para frente lutariam juntos para defender Atena. Emocionado, SHIRYU decide ser reunir a SEIYA, SHUN e HYOGA.

O INICIO DO FIM

É o dia da partida para o Santuário. A caminho do aeroporto, SHUN passa pelo cais e é surpreendido por sua amiga June, da Ilha de Andrômeda. Ela lhe conta que a Ilha foi atacada por Milo, o Cavaleiro de ouro de Escorpião, e que quase todos foram mortos, inclusive o Mestre de SHUN, Albiore, Milo fora enviado para a Ilha pelo fato de SHUN, considerado um traidor pelo Santuário, ter sido de lá e por Albiore nunca ter apoiado o Mestre do Santuário. Sabendo que SHUN não teria chances se atacasse o Santuário, June tenta detê-lo à força. Enquanto isso, no aeroporto, SAORI, Tatsumi, SEIYA e HYOGA se preocupam com o atraso de SHUN. SHUN entende a preocupação de June, mas, sem alternativas, ele a força a parar. Hedge e Spica, dois Cavaleiros de prata da Ilha de Andrômeda, entram na briga só que para oferecer a cabeça de SHUN ao Santuário e serem aceitos pelo Mestre. Os dois Cavaleiros não querem saber por que SHUN está do lado de SAORI. Sem sua armadura e suas correntes, SHUN é dominado, enquanto June pede para pararem. Sendo estrangulado pelas correntes, SHUN expande seu cosmo, liberando-se e derrotando Hedge e Spica. Finalmente, SHUN chega ao aeroporto, trazendo sua armadura e June, desmaiada. Ela é enviada a um hospital e SAORI e os Cavaleiros partem para Grécia. No Santuário, Aioria vai até o Mestre para descobrir a verdade sobre Atena e seu irmão, desafiando o próprio Mestre. Percebendo que Aioria sabia da verdade, o Mestre decide mata-lo e laça um golpe à velocidade da luz. Lutando com um cavaleiro de igual poder, Aioria lança uma defesa e o golpe fica parado entre ambos. A luta é interrompida com a chegada de Shaka, o Cavaleiro de Virgem. Crente que atacar o Mestre era como uma ofensa a Atena, Shaka ataca Aioria. Dois titãs de iguais poderes, o duelo é fantástico e extremamente equilibrado.

Capítulo 7  – A Batalha das Doze Casas

MU DE ÁRIES

Ao se aproximarem do Santuário, um homem vestindo um longo manto vem receber SAORI, HYOGA, SHUN e SEIYA. Lá SHIRYU estava à espera deles. O homem lhes explica que, para chegar a sala do Mestre, eles têm de passar pelas casas que estão no meio do caminho da montanha, cada uma delas representa um signo do zodíaco. É então que o estranho se apresenta como o Cavaleiro de prata Tremor, lançando uma ilusão contra os Cavaleiros. SEIYA lhe desfere um METEORO fatal, mas, antes de morrer, Tremor diz que conseguiu cumprir sua missão: matar SAORI. Espantados, os Cavaleiros percebem que SAORI foi atingida no peito por uma flecha dourada. Somente o Mestre pode tirar a flecha dourada, que se encrava aos poucos no coração da vítima, em doze horas. SAORI pede aos Cavaleiros para irem adiante, mesmo tendo que deixa-la sozinha. Vestindo suas armaduras, os Cavaleiros chegam à casa de Áries e encontram à espera deles MU, que lhes atira uma gigantesca rocha no meio do caminho. O que está tentando fazer? Quer nos impedir em nossa missão de salvar SAORI? pergunta HYOGA, sem entender a atitude de Mu. E se fosse verdade? O que poderiam fazer? responde Mu, com perguntas. Decepcionado, SHIRYU lembra a Mu que ele havia prometido derrotar o Mestre, quando se encontraram na China. Ele desafia Mu para o combate, mas é jogado longe com um simples gesto nas mãos. HYOGA, SEIYA e SHUN ficam impressionados. De repente, Kiki aparece e diz para não se preocuparem, pois Mu não havia batido tão forte assim em SHIRYU. O escudo de SHIRYU, o mais forte de todos eles, rachou inteiro, sem que Mu mal tenha tocado nele. Mu diz aos Cavaleiros que as armaduras deles estavam cheias de rachaduras, embora não pudessem vê-las. Através dos poderes de Kiki, as rachaduras se tornaram visíveis e Mu se oferece para ajuda-los, reparando suas armaduras. Mas para isso, ele precisaria de pelo menos uma hora. Pensando nas lutas que viriam, os Cavaleiros entendem que Mu apenas estava mostrando o perigo que corriam e o deixam cuidar das armaduras. A primeira chama do relógio zodiacal se extingue. As armaduras estão reforçadas e, antes de partirem, Mu explica aos Cavaleiros que para vencerem os demais cavaleiros de ouro será preciso que eles alcancem o sétimo sentido, pois isso é o que dá aos Cavaleiros o poder da velocidade da luz. Com o tempo curto, SEIYA e os demais seguem para a próxima casa. Mu e Kiki ficam protegendo SAORI.

A CASA DE TOURO

Avançando pelas escadarias, os Cavaleiros chegam à casa seguinte, onde são impedidos de passar pelo forte Aldebaran, o Cavaleiro de ouro de Touro. SEIYA lança um METEORO, dizendo para os demais passarem e irem em frente, mas Aldebaran detém os três com golpe só e ataca SEIYA sem sequer se mover. Abatido e semi-enterrado nas pedras do chão, SEIYA sente o cosmo de SAORI e se lembra das lições de Marin. Ele descobre como derrotar Aldebaran e começa a elevar o seu cosmo. SEIYA consegue disparar um METEORO, que cresce de potência à medida que se aproxima o oponente, acertando Aldebaran. Aldebaran lança contra SEIYA seu golpe GRANDE CHIFRE, mas SEIYA sobrevive ao impacto e desperta o sétimo sentido, expandindo seu cosmo. Percebendo o momento em que Aldebaran lança seu golpe,SEIYA descobre um ponto fraco e consegue deter o GRANDE CHIFRE. SEIYA devolve a Aldebaran seu golpe e quebra o chifre da armadura de Touro. Aldebaran se diverte com o feito de SEIYA e deixa-o passar, pois foi o primeiro a conseguir bater nele. Mas não deixa SHUN, SHIRYU e HYOGA prosseguirem. Então eles dizem para SEIYA ir, pois o importante é que um deles chegue ao Mestre. Os três unem seus cosmos e conseguem congelar os braços de Aldebaran. Percebendo que os jovens Cavaleiros estão despertando para o sétimo sentido, ele os deixa partir. Pouco depois, Mu vai dar um oi ao velho Aldebaran, que diz que deixou os Cavaleiros passarem por ter duvidado que eles fossem realmente traidores. Ele havia sentido um cosmo muito forte os protegendo. Aldebaran começa a desconfiar do Mestre. De repente, ele e Mu sentem a presença do Cavaleiro de ouro de Gêmeos, na casa seguinte. Mais uma chama do relógio se apaga.

A MISTERIOSA CASA DE GÊMEOS

SEIYA entre na casa de Gêmeos, mas sente um tipo estranho de cosmo em ação. De repente, ele se depara novamente com a entrada, onde encontra HYOGA, SHIRYU e SHUN, vindos da casa de Touro. Sem entender o que houve, os quatro decidem entrar correndo juntos, mas acabam voltando de novo à entrada, como se alguém quisesse avisa-los que não deveriam entrar. Eles decidem se dividir em duplas e entrar pelos dois lados diferentes do prédio. SHIRYU vai com SEIYA e SHUN vai com HYOGA. Os que atravessarem deverão seguir em frente, HYOGA e SHUN acabam se deparando com o misterioso e ameaçador Cavaleiro de Gêmeos, manipulado mentalmente pelo Mestre Ares, enquanto SHIRYU e SEIYA encontram apenas uma ilusão do Cavaleiro e conseguem encontrar a saída da casa de Gêmeos. Com o rosto oculto pelo elmo de duas faces opostas, Gêmeos ataca HYOGA e SHUN com seu golpe, que envia a outra dimensão. SHUN consegue usar suas correntes para permanecer na casa de Gêmeos, mas HYOGA é enviado a um local desconhecido. Quando as correntes de SHUN estavam prestes a se romper, algo interrompe a concentração de Ares e salva SHUN, que encontra a saída. O Mestre então percebe que quem o atrapalhou estava no vulcão da Ilha de Karr, para onde vão se recuperar os Cavaleiros feridos. Era Fênix! Preocupado com HYOGA, SHUN decide voltar para dentro da casa e tenta encontra-lo. Ele acaba se defrontando de novo com Gêmeos, que o manda novamente para outra dimensão. Elevando seu cosmo ao máximo e recuperando suas correntes, usa sua DEFESA CIRCULAR para evitar o golpe e a corrente quadrada para atacar Gêmeos. A corrente avança pelas dimensões e atava diretamente o Mestre. Com outra voz a lhe dizer que SHUN havia vencido a luta, o Mestre decide deixar o jovem Andrômeda passar pela casa de Gêmeos, mas não pouparia nenhum dos Cavaleiros mesmo assim. Finalmente, SHUN vê a saída da casa e a armadura de Gêmeos vazia. Desconhecendo o que houve com HYOGA, SHUN segue seu caminho.

A MORTE DO CISNE

Sem saber ao certo onde se encontrava, HYOGA recobra a consciência, defrontando-se com um Cavaleiro de ouro. Ao ver a armadura, HYOGA o reconhece: o Mestre do Cavaleiro de Cristal, Camus de Aquário. Por ser o Mestre de seu Mestre, HYOGA o vê como seu Mestre também. Camus conta a HYOGA que ele estava na casa de Libra e diz para não prosseguir. HYOGA tenta explicar a Camus que ele não podia se deter, então Camus avisa que terá que impedi-lo à força. HYOGA não quer lutar contra Camus, mas ele o provoca dizendo que Cristal morreu por não ser um Cavaleiro de verdade. Fazendo o navio onde a mãe dele está afundar num profundo abismo, Camus diz a HYOGA que o apego ao passado é para as pessoas comuns, que os Cavaleiros precisam ser diferentes, e que ele deveria agradecer por ter sido apagado o passado de sua vida. Assim, nunca venceria os Cavaleiros de ouro, pois não alcançaria o sétimo sentido. Tomando a atitude de Camus como ofensa pessoal, HYOGA decide lutar contra ele. Não conseguindo se libertar das lembranças da mãe, Camus prefere ele mesmo matar HYOGA do que deixar que outro cavaleiro de ouro o elimine, fazendo-o sofrer mais. Camus atinge HYOGA com o golpe EXECUÇÃO AURORA, coloca-o em um esquife de gelo e volta para casa de Aquário. SHIRYU, SEIYA e Mu sentem o cosmo de HYOGA se extinguir, assim como a chama da terceira hora.

CASA DE CÂNCER

SEIYA e SHIRYU chegam à casa de Câncer, um local nebuloso e sombrio. Há cabeças de cadáveres espalhados pelas paredes e pelo chão. O Cavaleiro Máscara da Morte chega e diz que esse é o motivo de seu nome. As cabeças são troféus de sua força. Vendo que também havia cabeças de mulheres e crianças, SEIYA e SHIRYU decidem matar Máscara da Morte por sua crueldade e por ser indigno de ser um Cavaleiro. Mas SHIRYU manda SEIYA seguir em frente, pois ele quer enfrentar Máscara da Morte sozinho. Com seu golpe ONDAS DO INFERNO, Máscara da Morte envia SHIRYU para o mundo dos espíritos. Lá SHIRYU volta a enxergar e vê uma enorme fila de pessoas caminhando num só sentido e reconhece HYOGA entre elas. SHIRYU o chama, mas HYOGA não o escuta. SHIRYU vê uma imagem de SAORI, que lhe avisa que ele não deve ir atrás de HYOGA, pois aquele é o caminho para o reino dos mortos. Ela estava falando diretamente para sua alma, pois seu corpo ainda estava na casa de Câncer. Sentindo que SHIRYU estava em perigo, Shunrei ora por ele. Por HYOGA e SAORI, SHIRYU eleva seu cosmo ao máximo e volta a vida para enfrentar Máscara da Morte. Mas o CÓLERA DO DRAGÃO não surte efeito contra o Cavaleiro de ouro, e Máscara da Morte manda SHIRYU de volta ao mundo dos espíritos. As orações de Shunrei são fortes o suficiente para atrapalhar Máscara da Morte e SHIRYU, lembrando-se do carinho dela, recupera suas energias. Máscara da Morte decide ir pessoalmente ao mundo dos espíritos para ter certeza de que dessa vez SHIRYU ao voltaria, jogando-o no abismo da entrada do inferno, de onde nenhuma alma jamais retorna. A energia de Shunrei novamente atrapalha Máscara da Morte e então ele usa seu poder para joga-la cachoeira abaixo, na China. A crueldade de Máscara da Morte gera ódio em SHIRYU e ele desperta o sétimo sentido. Enfurecido, SHIRYU se transforma no próprio dragão e golpeia Máscara da Morte, determinado a mata-lo. Conseguindo resistir a SHIRYU, Máscara da Morte o empurra até a beira do abismo. Com a ajuda do cosmo de SAORI, SHIRYU resiste aos golpes de Máscara da Morte e se segura nas pedras para não cair. De repente a armadura de Câncer deixa de proteger o corpo de Máscara da Morte, pois as armaduras de ouro não protegem Cavaleiros cruéis. Para lutar em pé de igualdade com seu oponente, SHIRYU deixa sua armadura e eleva seu cosmo ao máximo, disparando o mais poderoso CÓLERA DO DRAGÃO que já conseguiu. Com o golpe, Máscara da Morte cai no abismo da entrada do inferno e desaparece para sempre, assim como a chama do relógio de Câncer. SHUN encontra SHIRYU caído na casa de Câncer. Ele acorda e sente enorme alívio ao ver SHUN, mas lamenta por não ter salvo Shunrei. De repente, escuta a voz do Mestre Ancião falando diretamente ao seu cosmo, avisando que ele havia salvo Shunrei e que ela estava bem. SHUN percebe que SHIRYU estava enxergando e só nesse instante ele se dá conta disso. A vontade extrema de vencer fez com que a água milagrosa finalmente fizesse efeito. Olhando ao redor, SHIRYU vê que as cabeças das vítimas de Máscara da Morte haviam sumido, indicando que enfim essas almas puderam descansar. Preocupados com HYOGA e tendo muito caminho pela frente, SHUN e SHIRYU saem correndo em direção à próxima casa.

UM TERRÍVEL INIMIGO EM LEÃO

SEIYA vai até a casa de Leão e fica feliz ao ver que o Cavaleiro daquela casa era Aioria. Ele fica aliviado em vê-lo bem e pergunta a respeito de Sheena. Mas Aioria lhe responde que a missão dele é impedir que qualquer pessoa passe por aquela casa e que nada mais era importante. SEIYA não entende a reação de Aioria, que lhe desfere um poderoso golpe. No Oriente, Marin vai ao hospital ver June, a amazona amiga de SHUN. Lá ela fica sabendo que os Cavaleiros de bronze decidiram ir ao Santuário e Marin volta à Grécia para ajudar SEIYA. SEIYA lembra Aioria de que ele havia jurado defender Atena, contando-lhe que SAORI estava ferida e que eles precisavam do Mestre para salva-la. A luta era desnecessária, mas Aioria lhe responde com outro golpe. No Santuário, Marin é detida por Jacó, um gigante que, por ser extremamente violento, não foi aceito como Cavaleiro. Durante a luta contra Marin, Jacó conta a ela que Aioria vai enfrentar SEIYA e mata-lo. Marin não acredita nisso, pois o Aioria que ela conhecia seria incapaz de fazer mal a SEIYA. Jacó procura esmagar Marin com seus braços, mas ambos caem pelo desfiladeiro que leva ao Santuário. Enquanto isso, na casa de Sheena, na vila ao redor do Santuário, o gigante Cássius, aluno de Sheena, cuida dela. Ele se recorda de quando Aioria voltou com ela ferida, deixando-a a seus cuidados para ir falar com o Mestre. Febril, Sheena chama por SEIYA. Indo buscar frutas para Sheena na vila, Cássius escuta soldados falando que SEIYA já tinha chegado em Leão. Ao voltar, Sheena estava acordada e ela lhe pergunta o que havia acontecido. Cássius conta que SEIYA estava em Leão e Sheena não fica preocupada. Mas Cássius conta a ela que Aioria e Shaka lutaram na sala do Mestre e aproveitando a distração de Aioria com a luta, o Mestre usou um golpe mental para dominar sua vontade e usa-lo para matar os Cavaleiros de bronze. Ao saber disso, mesmo ferida, Sheena quer ir avisar SEIYA do perigo. Apaixonado por Sheena, Cássius a impede de ir, deixando-a inconsciente. Percebendo o quanto Sheena ama SEIYA, Cássius decide ir às Doze Casas. SHUN e SHIRYU sobem pelas escadarias, quando são interceptados pelo gigante. Quando chega à casa de Leão. Cássius encontra SEIYA quase morto de tanto apanhar de Aioria. Dizendo querer se vingar de SEIYA por ter perdido para ele sua orelha esquerda e a armadura de Pégaso, ele se aproxima de ambos, segura Aioria de supetão e manda SEIYA fugir. Cássius conta a SEIYA que Aioria estava sob o domínio mental do Mestre e que só matando alguém ele conseguirá se libertar. Ele estava fazendo aquilo apenas por Sheena, pois se SEIYA morresse, ela nunca seria feliz. Aioria golpeia Cássius, insistindo que o mataria se o impedisse de novo. Vendo o nobre ato de Cássius, SEIYA tenta ampara-lo. Aioria dispara um CÁPSULA DO PODER contra ambos e Cássius usa seu corpo para proteger SEIYA. Pedindo a Atena para lhe dar forças, SEIYA consegue acender seu sétimo sentido, desviando-se do golpe de Aioria e acertando-lhe um METEORO. SEIYA tenta ajudar Cássius, mas ele morre chamando por Sheena. Aioria finalmente volta ao normal e corrói-se de remorso por ter matado Cássius, que se sacrificou por Sheena, por SEIYA e por ele próprio. SHUN e SHIRYU chagam a Leão e ficam comovidos com o gesto de Cássius.  Mais um fogo do relógio se apaga.

Capítulo 8

O RETORNO DA AVE FÊNIX

Antes de prosseguir para a próxima casa, Virgem, Aioria usa seu cosmo para curar a perna de SEIYA, ferido durante o duelo. Aioria conta aos Cavaleiros de bronze que Shaka, o Cavaleiro de Virgem, era o mais perigoso Cavaleiro das Doze Casas e que seu poder era próximo ao de Deus. Não deviam deixar Shaka abrir os olhos de jeito nenhum, pois quando ele faz isso tudo que está ao seu redor morre. Enquanto isso, na ilha vulcânica onde IKKI se recupera, soldados do Santuário pegam o ancião da vila e sua pequena neta, Helen, como reféns para ir ver Fênix. Como o ancião se recusava a dizer onde Fênix estava, os soldados o agridem. Ouvindo os pedidos de socorro da menina, IKKI chega e acaba com todos os soldados com um só golpe. Só que mais dois Cavaleiros aparecem para matar Fênix sob as ordens do Mestre Ares: os Cavaleiros Shiga, de Pavão Real, e Ávora, de Lótus, dois alunos de Shaka. Uma força estranha impede que IKKI se mova e Shiga o golpeia. Não resistindo aos maltratos dos soldados, o ancião morre e a menina interrompe a luta entre os Cavaleiros, pedindo com lágrimas para que tragam o avô dela de volta. Sem poder se mover, IKKI vê Shiga usar seus poderes para atirar Helen num poço de lava. Ávora e Shiga atacam IKKI, indefeso, que cai desmaiado próximo ao poço de lava. IKKI sente que está morrendo, mas Helen, que se agarrou às pedras à beira do poço, chama por ele e tenta segurar sua mão. Por Helen, IKKI ganha forças para sobreviver e puxa-lo ao poço. Shiga e Ávora encontram IKKI e Helen vivos e o desafiam novamente. IKKI pede a Helen para esperar por ele e sobe as escarpas rochosas para enfrenta-los. Novamente, IKKI se sente paralisar e é atacado por Shiga e Ávora ao mesmo tempo. Mesmo apanhando muito, IKKI resiste. E quando SAORI usa seu cosmo pra interferir na meditação de Shaka, que a longa distância estava usando seu poder para manter IKKI paralisado. Livre, ele consegue dar um golpe e afastar Shiga e Ávora. Os MIL BRAÇOS de Shiga agora não surtem efeito, nem a EXPLOSÃO DE LÓTUS de Ávora. Furioso, IKKI contra-ataca com um poderoso AVE DE FÊNIX, liquidando com ambos. Aliviada, Helen vê IKKI voltar para leva-la embora. Ao pôr-do-sol, IKKI se pergunta quem será Shaka e por que manipulou Ávora e Shiga contra ele, IKKI sente que é hora de ele também ir ao Santuário.

SHAKA, O HOMEM MAIS PRÓXIMO DE DEUS

Finalmente SHUN, SHIRYU e SEIYA chegam à casa de Virgem, um local que inspira profunda paz e harmonia. Flutuando sobre um trono em forma de lótus e emanado uma aura brilhante, eles encontram Shaka, o Cavaleiro de ouro de Virgem. Embora em posição de meditação e com os olhos fechados, eles sentem que Shaka está alerta e se aproximam dele, com cuidado. Sem se mover, Shaka joga SEIYA longe, detém o CÓLERA DO DRAGÃO de SHIRYU e com um leve gesto das mãos, emitindo um som, faz a corrente de Andrômeda atacar SHUN. Acumulando energia em suas mãos, Shaka derruba os três de uma vez. Percebendo que SHUN ainda se movia, Shaka se prepara para dar um golpe final com as pontas dos dedos, quando algo lhe fere a mão. Era uma pena de Fênix. IKKI chega a casa de Virgem, irradiando seu cosmo feroz. Shaka transforma as poucas gotas de sangue, que saíram de seu ferimento na mão, em um rio de sangue que cobre IKKI. Para se salvar, IKKI eleva seu cosmo e faz o sangue se evaporar com o calor intenso. Shaka diz para IKKI desistir, pois seu cosmo era muito mais poderoso que o dele, tanto que foi capaz de paralisa-lo durante a luta contra Shiga e Ávora, como estava fazendo naquele instante. Com seu poder SEI SAMSARA, Shaka envia IKKI a seis mundos espirituais, todos igualmente perigoso. IKKI deve escolher um deles e cair nele, onde sua alma ficaria para sempre. Uma repentina chuva começa a cair no Santuário. IKKI e Mu permanecem ao lado de SAORI. Surpreendendo Shaka, IKKI se recupera e consegue acertar um golpe de ilusão nele, mas sem efeito, pois Shaka eliminou o medo de sua alma. Impressionado, Shaka ainda dá a IKKI a chance de fugir, mas ele lhe responde que jamais abandonaria seus amigos e SAORI. Shaka dá a IKKI uma ilusão, em que ele vê a si mesmo pequeno carregando SHUN nenê, tendo que leva-lo por um caminho de pedras pontiagudas. O peso do bebê aumenta cada vez mais e Shaka diz a IKKI para deixar SHUN e se salvar. IKKI não cede e Shaka desiste. A luta é inevitável. Shaka abre seus olhos, destrói a armadura de IKKI e começa a tirar-lhe o sentido do tato e do olfato. IKKI pergunta a Shaka por que ele estava lutando pelo Mestre, sabendo que ele era maligno, pois um verdadeiro Cavaleiro defende o bem. Shaka diz que ele era um Cavaleiro de ouro que lutava pela justiça e que como nada no mundo é definitivo, ele poderia fazer justiça a partir de um Mestre ruim. IKKI não concorda e Shaka também lhe tira a visão, o paladar e a audição. IKKI chama por Atena. SHUN recobra a consciência, vê IKKI ser atacado por Shaka e usa corrente para impedi-lo. Mas IKKI pede a SHUN através de seu cosmo para se afastar, dizendo para não se importar com ele, que venceria Shaka. Sem seus cinco sentidos físicos IKKI acaba despertando o sétimo sentido de forma extremamente poderosa. SEIYA e SHIRYU também acordam. Com o golpe TESOURO DO CÉU, Shaka destrói o sexto sentido de IKKI, mas o cosmo dele se expande ainda mais, tornando-se maior do que o de Shaka. Imobilizado, Shaka acaba entendendo que IKKI queria perder os seus seis sentidos, justamente para fazer explodir o sétimo sentido e leva-lo consigo. Uma enorme explosão luminosa ocorre e tudo que restou foi uma cratera na casa de Virgem semidestruída e a armadura de ouro, vazia. SHUN chora a morte do irmão e promete continuar lutando com os amigos até o fim. Apesar da dor, SHUN acompanha SHIRYU e SEIYA à próxima casa.

O RETORNO DO CISNE

Aioria carrega o corpo de Cássius até o bosque ao redor do Santuário, lamentando todas as vidas que já se perderam nas batalhas contra Ares. Ele encontra Sheena e conta-lhe o que houve. Lembrando-se o carinho com que Cássius cuidou dela, Sheena se sente culpada pela morte do aluno. Aioria tenta consola-la, assumindo a responsabilidade pela morte de Cássius. Para evitar que Sheena fosse ao Santuário e se matasse, Aioria a nocauteia e sepulta Cássius, cheio de tristeza. SEIYA, SHUN e SHIRYU chegam à casa de Libra que seria defendida pelo Mestre Ancião. SHIRYU sabe que seu Mestre nada faria para impedi-los e eles correm para atravessa-la. Lá dentro, eles encontram HYOGA congelado num gigantesco bloco. Eles sentem que HYOGA ainda está vivo, mas seu coração bate muito devagar. SEIYA tenta libertar HYOGA, mas seus golpes nem arranham o gelo. De repente, a armadura de ouro de Libra surge diante dos Cavaleiros e SHIRYU logo compreende que seu Mestre a havia enviado para ajuda-los. A armadura de Libra começa a interagir com SHIERYU e todas as doze armas são experimentadas por ele, para que uma seja escolhida para libertar HYOGA. SHIRYU pega a espada de Libra e golpeia o bloco de gelo, que se parte em mil pedaços. HYOGA está livre, mas está morrendo por causa do frio intenso. SHUN diz para os amigos prosseguirem, pois ele salvaria HYOGA. SHIRYU e SEIYA partem e SHUN abraça HYOGA, expandindo seu cosmo para aquecer o amigo, mesmo com o risco de explodir. SHUN se lembra dos tempos de treinamento na Ilha de Andrômeda e que desde aquela época ele preferia sacrificar a si mesmo do que ter que ferir alguém. SHUN prefere dar a HYOGA a chance de viver em seu lugar. A caminho da casa de Escorpião, SHIRYU e SEIYA sentem o cosmo de SHUN explodir. Compreendendo o que SHUN poderia ter feito, eles decidem voltar para a casa de Libra, mas eles se detêm por causa de Milo, o Cavaleiro de ouro de Escorpião, que acredita que eles são traidores do Santuário e de Atena. Usando apenas sua mente, Milo os paralisa. SHIRYU tenta lançar um DRAGÃO NASCENTE, mas o golpe mal surge efeito em Milo. SHIRYU tenta novamente, mas Milo detém o golpe com as mãos e o devolve contra ele. SEIYA lança um METEORO contra Milo, conseguindo atingir o rosto dele, mas sem afeta-lo muito. Com outro golpe, Milo derruba SEIYA. Mesmo reconhecendo que Milo é um adversário extremamente poderoso, SHIRYU e SEIYA decidem enfrenta-lo unindo seus poderes. Milo usa sua AGULHA ESCARLATE e atinge ambos de uma só vez. A luta é interrompida por HYOGA, que chega carregando SHUN inconsciente nos braços. Emocionado com a atitude de SHUN, HYOGA incita os amigos a resistirem para todos juntos irem ao quarto do Mestre. SHIRYU e SEIYA se levantam. Com sua barreira mental, Milo tenta imobilizar HYOGA, mas isso não surte efeito em Cisne. HYOGA usa seu CÍRCULO CONGELANTE para manter Milo quieto e pede para SHIRYU e SEIYA prosseguirem, levando SHUN com eles. HYOGA agradece por eles terem salvo sua vida, mas era preciso que seguissem em frente para salvarem SHUN e Atena. HYOGA lutará contra Milo e os encontrará depois. Carregando SHUN, SEIYA e SHIRYU partem.

AS AGULHAS ESCARLATES DE MILO

Na entrada das Doze Casas, Tatsumi chega correndo, após saber o que havia acontecido com SAORI. Soldados do Santuário chegam para atacar Tatsumi e SAORI. Mu apenas observa e se afasta com Kiki, enquanto Tatsumi parte para ofensiva com sua espada de bambu. Ele acaba dominado pelos soldados e quando um deles ia enfiar uma lança em SAORI, os Cavaleiros de bronze Jabur de Unicórnio, Nachi de Lobo, Geki de Urso, Dan de Lionet e Hidra chegam de repente para proteger SAORI. Eles facilmente derrotam as dezenas de soldados e contam a Tatsumi que, após terem sido derrotados no torneio, voltaram para se recuperar nos locais onde haviam sido treinados. Quando souberam o que ocorria no Santuário, vieram correndo, apenas lamentando não chegarem a tempo de evitar o ataque a SAORI. Enquanto isso, HYOGA desafia Milo na casa de Escorpião, após seus amigos terem partido. Milo usa a barreira mental para paralisar HYOGA, mas ele bloqueia o poder dele com ar frio. Milo apela para AGULA ESCARLATE e HYOGA lança o PÓ DE DIAMANTE, tentando congela-lo. HYOGA consegue deter Milo, mas não o suficiente para derruba-lo. Duas agulhas atingem HYOGA e Milo diz para ele se render, pois, se receber os quinze golpes correspondentes às quinze estrelas da constelação de Escorpião, com certeza morrera. HYOGA não se detém e Milo o atinge até a décima quarta agulha. Mesmo quase morto, HYOGA consegue congelar as pernas de Milo e dispara um TROVÃO AURORA, acertando Milo, sem derruba-lo. Os ferimentos de HYOGA se dilatam e ele perde muito sangue e os sentidos. Ainda tenta reagir, mas Milo diz para parar de lutar, explicando-lhe por que Camus o havia congelado. Camus testou HYOGA, mas não tinha intenção de lutar e sim ver se ele reunia condições de despertar o sétimo sentido. Não tendo conseguido isso, Milo diz que em respeito a Camus, pouparia a vida de HYOGA, mandando-o embora. Mas HYOGA responde que ele não deixaria de lutar por causa de seus amigos e entendendo que poupar a vida dele o ofenderia, Milo decide mata-lo. Sangrando muito e quase sem forças, HYOGA se lembra de sua mãe, de SHUN e Camus e eleva seu cosmo, disparando um TROVÃO DE AURORA. Milo acerta a AGULHA DE ANTARES nele. Para sua surpresa, Milo vê sua armadura de ouro congelar e percebe que no último instante HYOGA conseguiu despertar seu sétimo sentido. HYOGA se arrasta em direção a algo que Milo não consegue ver. De repente, ele percebe que HYOGA tentava alcançar Atena. O coração de HYOGA pára e Milo, mais do que depressa, o atinge num ponto que estanca a hemorragia e reativa o coração. Por quê? pergunta HYOGA, diante da atitude de Milo. Eu só queria ver como você reagiria me enfrentando nesta batalha. Lembre-se, eu não o salvei. Eu lhe dei sua prova mais difícil e logo você vai entender. Sua força e coragem são dignas de um CAVALEIRO DO ZODÍACO. Fraco e ferido, HYOGA não tem tempo a perder. Ele se levanta e sai andando lentamente para ir se encontrar com os amigos. O fogo de Escorpião se apaga.

O TESTAMENTO DO CAVALEIRO DE SAGITÁRIO

SHIRYU e SEIYA, carregando SHUN em suas costas, dirigem-se para a casa de Sagitário. SAORI permanece desacordada e ferida, mas Geki traz para ela seu báculo, a pedido de Tatsumi. Ao colocar o báculo nas mãos de SAORI, ele brilha intensamente e atrai a armadura de ouro de Sagitário. De repente todas as armaduras de ouro começam inexplicavelmente a se harmonizar com a armadura de Sagitário, emitindo um som que ecoa por todo o Santuário, deixando o Mestre preocupado. Em seguida, a armadura de Sagitário transforma-se num globo luminoso e vai para a casa de Sagitário. SHIRYU e SEIYA entram na casa e percebem que ela não tem saída, encontrando a armadura. SEIYA fica contente ao ver a armadura inteira novamente, mas ao se aproximar, vê que ela puxa o arco, preparando-se para atirar-lhe uma flecha. A armadura atira em direção ao peito de SEIYA. A flecha passa de raspão em SEIYA, indo fincar-se na parede. No chão, SHUN acorda e vê a estranha situação. Sem entender o que se passa, os Cavaleiros veem a flecha abrir uma passagem na parede. HYOGA finalmente os alcança e SHUN se alegra ao vê-lo vivo. Os quatro Cavaleiros decidem seguir pela passagem e, ao entrarem, a parede se fecha atrás deles. Mais adiante, eles escutam em estranho barulho. O teto rochoso começa a descer sobre eles. SHIRYU pede aos amigos para irem, enquanto ele segura o gigantesco bloco. SEIYA, SHUN e HYOGA conseguem escapar e SHIRYU transforma o bloco em milhares de pedaços com um golpe. Segue-se um profundo silêncio, mas os três precisam continuar para salvar SAORI. Pouco mais adiante, SEIYA, SHUN e HYOGA caem num precipício e chegam a uma caverna subterrânea. A corrente de SHUN se movimenta, avisando do perigo. Uma chuva de rochas se dirige contra os Cavaleiros e SHUN usa suas correntes para destruí-las. A corrente de Andrômeda atinge o teto da caverna, uma enorme quantidade de água cai pelo buraco e rapidamente inunda tudo. HYOGA manda SEIYA e SHUN e ele usa o PÓ DE DIAMANTE para tentar segurar a água, congelando-a. Mas o bloco de gelo não resiste à pressão e HYOGA é levado pela forte correnteza. Saindo por uma passagem entre as rochas, SEIYA e SHUN têm em seu caminho um precipício subterrâneo. SHUN prende sua corrente a uma estalactite e salta, segurando SEIYA, para a travessia aérea. Mas a estalactite começa a ceder e SHUN joga SEIYA para o outro lado do precipício. Desesperado, SEIYA grita por SHUN ao vê-lo cair na escuridão. SEIYA escala a parede rochosa, mas, já sem forças, ele desliza. Um estranho cosmo emana da armadura de Sagitário, fazendo os Cavaleiros se recuperar e, quando eles dão por si, estão de volta à casa de Sagitário, diante da armadura de ouro. Aparece na parede uma inscrição dizendo: aos Cavaleiros que aqui vierem, confio Atena a seus cuidados. Depois de mais de treze anos, finalmente Aioros encontrava alguém a quem pudesse confiar o bebê que protegeu com sua própria vida e isso emociona os Cavaleiros às lágrimas. Eles haviam passado por um teste, no qual demonstraram ser homens que o falecido Cavaleiro procurava. A parede desmorona, mostrando a saída, e juntos, SEIYA, SHUN, HYOGA e SHIRYU juram proteger Atena.

Capítulo 9

A CASA DE CAPRICÓRNIO

Restam três casas a serem percorridas e três horas para SAORI. Os Cavaleiros chegam à casa de Capricórnio. Num grande salão, eles encontram uma estátua, que representam Atena entregando a espada Excalibur ao Cavaleiro que lhe era mais fiel. Eles prosseguem sem enfrentar resistência, chegando à saída. Já do lado de fora, entretanto, SHIRYU pressente algo e vê um golpe vindo em direção a eles. Empurra os amigos para protege-los e se abre um precipício. Chaga Shura, o Cavaleiro de ouro de Capricórnio e SHIRYU permanece para enfrenta-lo. SEIYA, SHUN e HYOGA sentem ter de deixar o amigo sozinho para trás, mas devem prosseguir. Shura ataca SHIRYU com golpes rápidos, poderosos e cortantes. Dizendo-se o Cavaleiro mais fiel a Atena, Shura conta a SHIRYU que foi ele quem matou Aioros, acusado de trair o Santuário. SHIRYU revela que Aioros acabou vivendo o suficiente para salvar o bebê e que a criança que Shura tentou matar era Atena. Não acreditando em SHIRYU. Shura ataca implacavelmente, cortando a armadura do dragão em pedaços. Acendendo seu cosmo, SHIRYU consegue deter a mão de Shura durante seu golpe e diz que mesmo que ele morra, o levaria junto para vingar Aioros. Shura percebe que SHIRYU abaixa a guarda do peito por alguns instantes ao desferir seus golpes e o atinge perto do coração, mas SHIRYU consegue quebrar o braço de Shura. Mesmo bastante ferido, o cosmo de SHIRYU continua aumentando. SHIRYU se lembra que seu Mestre o advertiu que, quando ele chegasse ao sétimo sentido, poderia usar o golpe ÚLTIMO DRAGÃO, capaz de destruir até um Cavaleiro de ouro, mas que o destruiria também. Sem opção, SHIRYU eleva seu cosmo, agarra Shura pelas costas e deixa seu ÚLTIMO DRAGÃO explodir, destruindo a casa de Capricórnio. SHIRYU e Shura são disparados para os céus, como uma estrela cadente. O atrito com a atmosfera começa a destruir seus corpos. Shura não entende por que SHIRYU estava se sacrificando tanto e ele lhe responde que não se incomodava em morrer por Atena e pelo que ela representa. Sentindo SHIRYU ser envolvido pelo cosmo de Atena, Shura reconhece o seu engano e diz que ele não deve morrer e o que viesse a restar deles seria para defender Atena. Da Terra, SEIYA, SHUN, HYOGA, o Mestre Ancião e Shunrei vêem o cosmo de SHIRYU desaparecer no céu noturno e choram pelo amigo. O fogo do relógio em Capricórnio se extingue.

O DUELO EM AQUÁRIO

Ao chegarem a Aquário, HYOGA encara Camus, o Cavaleiro que foi o mestre de seu Mestre e que o havia prendido no gelo em Libra. HYOGA manda SEIYA e SHUN prosseguir e deixar ele e Camus a sós para o duelo. Camus os deixa passar e aceita o desafio. SHUN hesita em ir, mas SEIYA lhe lembra que o tempo está se esgotando. Camus explica a HYOGA que mesmo ele não consegue chegar ai zero absoluto, mas que aquele que entre os Cavaleiros do frio conseguisse se aproximar mais do zero absoluto seria invencível. HYOGA usa o PÓ DE DIAMANTE, que não surte efeito em Camus e ele congela as pernas de HYOGA. Com o EXECUÇÃO AURORA, Camus prende HYOGA novamente num bloco de gelo, mas ele está diferente desde a luta em Libra. Por seus amigos e por Atena, acende seu cosmo e consegue quebrar o gelo pelo lado de dentro. Camus se espanta com a resistência de HYOGA e percebe que ele começa a alcançar o sétimo sentido. Mal se aguenta em pé, HYOGA insiste e emite um poderoso ar frio, que Camus detém com a mesma força. Camus tenta evitar que HYOGA continue, tentando explicar que a armadura de bronze não resistiria, enquanto a armadura de ouro só se congela no zero absoluto. Camus se prepara para dar mais um EXECUÇÃO AURORA e HYOGA, semiconsciente, faz o mesmo. Ambos disparam e um clarão explode em Aquário. SEIYA e SHUN vêem flocos de neve caindo e sentem o cosmo do amigo se despedindo deles. Congelado à beira da morte, Camus cumprimenta o discípulo por tê-lo sobrepujado e lamenta não poder salvar-lhe a vida. HYOGA, igualmente mal, agradece Camus com lágrimas por tê-lo guiado ao sétimo sentido, renunciando à própria vida. Ambos caem mortos. O fogo no relógio marca apenas mais uma hora para SAORI.

ROSAS DE AFRODITE

SHUN e SEIYA se aproximam da última casa, Peixes. SHUN pede a SEIYA para que ele passe direto por Peixes, deixando-o lutar sozinho, pois pelo menos um deles precisa chegar até o Mestre em tempo. SEIYA não quer que o amigo se sacrifique, mas SHUN pede para que não o subestime, pois quer cumprir uma promessa feita a IKKI. Pretende vencer e não se sacrificar. Na entrada da casa de Peixes, eles conhecem Afrodite, o mais belo e terrível dos Cavaleiros de ouro, segurando uma rosa entre os lábios. SEIYA passa por Afrodite e SHUN usa a corrente de Andrômeda para evitar que ele ataque. Afrodite diz a SHUN que mesmo tendo passado pela casa de Peixes, SEIYA provavelmente morreria por causa das rosas que ele encontraria no caminho para o quarto do Mestre. Com efeito, ao passar pelas rosas, SEIYA vai perdendo os sentidos aos poucos e desmaia, para espanto de SHUN. SHUN tenta ajudar SEIYA, mas Afrodite o impede, dizendo que foi ele quem matou Albiore e não Milo. Albiore era uma Cavaleiro forte e hábil e Milo teve uma luta difícil. Enviado à Ilha de Andrômeda pelo Mestre para vigiar ambos, Afrodite resolveu interferir na luta, jogando uma rosa envenenada em Albiore, paralisando-o e tornando-o alvo fácil para Milo. SHUN, disposto a vingar seu Mestre, usa a corrente, mas ela ao faz efeito contra Afrodite, que contra-ataca com o golpe ROSAS DIABÓLICAS REIAS. SHUN é atingido violentamente, mas recordando-se de seu Mestre, reage, mesmo sob o efeito do veneno das rosas. Consegue acertar um golpe em Afrodite, mas sem derruba-lo. Afrodite lança contra SHUN suas rosas negras, que rasgam até o aço e destroem as correntes e a armadura de SHUN. Quase morto, SHUN ainda resiste acendendo seu cosmo, despertando seu sétimo sentido e lançando contra Afrodite todo o seu poder. Ele consegue paralisar parte das funções do corpo de Afrodite, prometendo poupa-lo, se ele se regenerar. Mas Afrodite acha que a paz só existe quando o mais forte domina o mais fraco e desafia SHUN para ver qual dos dois morreria primeiro: ele com a rosa branca que drena o sangue do adversário ou SHUN, com o TEMPESTADE NEBULOSA DE ANDRÔMEDA. O cosmo de SHUN explode, matando Afrodite, mas a rosa branca o atinge no peito. Pensando em IKKI, em seus amigos e em SAORI, ele se despede da vida. Marin se recupera da luta contra Jacó e corre para ajudar SEIYA. No meio do caminho, Phyton, o chefe da guarda a intercepta por ele ter caído em desgraça perante o Mestre. Também se dirigindo as Doze Casas, Sheena ajuda Marina a derrotar Phyton, mesmo sem estar recuperada do golpe de Aioria.

Capítulo 10

O MISTÉRIO DO MESTRE

No meio das rosas de Afrodite, SEIYA tenta resistir, quase sem sentidos. Marin se apressa para chegar até ele e o encontra desacordado. Ela tira sua máscara e a coloca no rosto de SEIYA para protege-lo do perfume venenoso das rosas e o carrega pelo caminho que leva ao quarto do Mestre. Aos poucos, SEIYA se recupera, mas Marina não resiste às rosas e desmaia. Sabendo ser o único que resta e vendo tanta gente se sacrificar para ajuda-lo, SEIYA acende seu cosmo e com um golpe limpa o caminho até o salão do Mestre. Sheena também chega ao local e diz a SEIYA para prosseguir, que ela cuidaria de Marin. SEIYA finalmente chega ao quarto do Mestre. Ao contrário de suas expectativas, o Mestre o recebe mostrando seu rosto: era Saga, o Cavaleiro de ouro de Gêmeos. Demonstrando admiração por SEIYA e arrependimentos pelos atos que cometeu, ele diz que não podia ajudar Atena. Achando que Saga estava mentindo, SEIYA lhe desfere um METEORO e se impressiona ao ver o Mestre chorando, mesmo sem tê-lo ferido. Saga explica a SEIYA que, atravessando o salão, ele encontrará uma estátua de ouro de Atena. Na mão direita ela segura Nike, a Deusa da Vitória e na outra mão, o escudo da Justiça, que a defende de todo o mal, e que ele precisava direcionar o escudo em direção a SAORI, para lhe tirar a flecha do peito. Saga começa a sentir-se mal e manda SEIYA se apressar. Sem entender muito bem o que se passar, SEIYA se dirige à estátua. De repente, tornando-se maligno de novo, o Mestre golpeia SEIYA violentamente. Enquanto isso, Marin recobra a consciência e conta a Sheena que antes de vir ao Santuário ele foi a Starhill, um alto e íngreme pico que os Mestres do Santuário usam como oráculo. Lá ela encontrou o corpo do antigo Mestre, morto há muitos anos. Assim, elas descobrem finalmente o que havia acontecido com o antigo e bondoso Mestre. No salão do Mestre, SEIYA tenta golpeá-lo com um METEORO, mas nada acontece com Saga. Ele invoca sua armadura de gêmeos e tenta jogar SEIYA em outra dimensão, mas começa a passar mal de novo. Outro espírito tenta impedir o Saga maligno de agredir SEIYA, mas o Mestre reage e tira os cinco sentidos de SEIYA. Em Áries, Mu sente um cosmo lhe chamar. Era Shaka de Virgem, que lhe pede para ajudá-lo a sair da estranha dimensão em que ele estava com IKKI. Com poderes sobrenaturais, Mu faz com que Shaka e IKKI voltem à casa de Virgem e à vida. Shaka ajuda IKKI por ter sentido dúvida a respeito de suas crenças e o manda ajudar SEIYA, pois ele iria em seguida com os Cavaleiros de ouro.

O CONFRONTO FINAL

SEIYA continua lutando contra Saga e aumentando seu cosmo, conseguindo derruba-lo. Mas Saga se recupera e atinge SEIYA novamente. A face da justiça do elmo de duas faces de Gêmeos começa a chorar, quando Saga ia dar o golpe fatal em SEIYA. De repente, chega IKKI e consegue detê-lo. Sem os cinco sentidos, SEIYA tem dificuldades para chegar à estátua e ao escudo, mas o cosmo de Atena o guia. IKKI enfrenta Saga numa luta terrível para dar tempo a SEIYA, que quase sem forças alcança finalmente a estátua de Atena. Para poder ir atrás de SEIYA, Saga faz o salão desmoronar sobre IKKI. SEIYA consegue pegar o escudo e sentindo o cosmo de SAORI, ele o ergue, emitindo um estranho brilho. Saga chega e o golpeia. A luz do escudo se espalha por todos os lados e a última chama do relógio se extingue. Saga ri, certo de sua vitória. Na entrada das Doze Casas, e os Cavaleiros de bronze e Tatsumi assistem espantados à flecha desaparecer do peito de SAORI ela se recuperar. Erguendo-se e carregando seu báculo, SAORI decide ir até o quarto do Mestre e ajudar SHUN, SHIRYU, HYOGA, SEIYA e IKKI. Enquanto isso, Saga ainda luta para destruir SEIYA e IKKI sai dos escombros para enfrenta-lo novamente. No meio do caminho para o salão do Mestre, os Cavaleiros de ouro Mu, Aldebaran, Aioria, Shaka e Milo recebem SAORI e a acompanham com os Cavaleiros de bronze. SAORI usa seu cosmo para trazer SHIRYU, HYOGA e SHUN de volta à vida. Eles finalmente alcançam o templo de Atena e todos juntos, inclusive Sheena e Marin, encaram Saga. SEIYA, SHIRYU, HYOGA, IKKI e SHUN unem seus cosmos e desferem um poderosíssimo golpe contra Saga, mas mesmo assim, não conseguem acabar com ele e, esgotados, caem desacordados. Os Cavaleiros de ouro se colocam contra Saga. Gêmeos lança um desafio a Atena e ela aceita. A armadura de Gêmeos deixa o corpo de Saga e ele se joga contra SAORI para desferir-lhe um golpe. Mas o báculo de SAORI atinge o ventre de Saga que, gravemente ferido, volta a ser bom. Saga pede perdão a Atena pelo mal que causou involuntariamente e morre. Amparando SEIYA, SAORI agradece toda a dedicação e sacrifício de seus defensores. Os Cavaleiros de ouro carregam SHUN, SHIRYU, HYOGA e IKKI como dignos irmãos de armas. A terrível batalha das Doze Casas chega ao seu fim e o bem volta a reinar no Santuário.

Autora: Cristiane A. Sato

AO USAR INFORMAÇÕES DESTE SITE, NÃO DEIXE DE MENCIONAR A FONTE www.abrademi.com – Cristiane A. Sato

LEMBRE-SE: AS INFORMAÇÕES SÃO GRATUITAS, MAS ISTO NÃO LHE DÁ DIREITO DE SE APROPRIAR DESTA MATÉRIA. CITANDO A FONTE, VOCÊ ESTARÁ COLABORANDO PARA QUE MAIS E MELHORES INFORMAÇÕES SOBRE DIVERSOS ASSUNTOS SEJAM DISPONIBILIZADOS EM PORTUGUÊS.

Please follow and like us:

abrademi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.